Rabaul, a cidade-vulcão

Há 20 anos que a cidade de Rabaul, na Papua Nova Guiné, foi destruída do dia para a noite, na sequência da erupção de três vulcões: Tavurvur, Vulcan e Rabalankaia. Graças a um atempado aviso, grande parte da população e turistas conseguiram fugir a tempo, à medida que as cinzas e a lava invadiram as casas e edifícios da localidade.

Apesar de ter ficado destruída e perdido o estatuto de capital do País, Rabaul não ficou sozinha: quem ficou reconstruiu a sua vida nas ruínas, apesar da ameaça de novas erupções ou doenças respiratórias graves.

Intrigado por esta falta de respeito pela natureza, o fotógrafo francês Eric Lafforgue voou até Rabaoul para documentar a vida destes corajosos: ele descobriu crianças a brincar em edifícios abandonados e pessoa a comerem ovos enterrados na cinza.

“A chuva encharcou a cinza grossa que caiu nas casas, e cerca de 80% dos edifícios colapsou com o peso”, explicou Lafforgue. O fotógrafo explicou ter encontrado o antigo mayor de Rabaul, que depois da morte da mulher, na erupção de 1994, acabou a viver sozinho em frente ao Tavurvur.

Existe ainda um hotel por debaixo do vulcão, o Rabaul, que reabriu em 2005 e que procura turistas aventureiros. “Todos os quartos têm uma vista para o vulcão, e quando o vento sopra não conseguimos ver nada por causa da cinza”, concluiu o fotógrafo.

O antigo aeroporto, destruído pela erupção, está coberto por três metros de cinza. “Ninguém sabe por que razão ele foi construído no sopé do vulcão. Veja algumas das fotos de Eric.

Comentários (Facebook):

Deixar uma resposta