A primeira folha artificial que produz oxigénio

A vida no espaço parece estar cada vez mais próxima da realidade, mas continua a haver um problema impeditivo: a falta de oxigénio.

As plantas não gostam de ambientes sem gravidade e viverem num local onde existe falta de oxigénio por tempo indeterminado não é muito viável. Foi por isto que Julian Melchiorri criou a Silk Leaf, uma folha artificial que consegue criar oxigénio de forma infinita, utilizando água e luz.

Melchiorri queria criar uma maneira de produzir oxigénio no espaço e que fosse compatível com o ambiente severo extra-terrestre. Então criou uma folha artificial que tem cloroplastos suspensos no seu interior. Melchiorri utilizou uma fibra de seda para suspender os cloroplastos para que estes pudessem continuar a funcionar como se estivessem numa planta, mas localizados numa espécie de super-estrutura.

“Extraí os cloroplastos das plantas e coloquei-os dentro de proteínas de seda. Como resultado tive o primeiro material fotossintético que vive e respira tal como as folhas das plantas”, indicou Melchiorri, citado pelo Inhabitat.

O projecto foi desenvolvido em colaboração o laboratório de seda da Tufts University, no âmbito de num curso de design de engenharia do Royal College of Art.

Comentários (Facebook):

Deixar uma resposta