A mãe de todas as serpentes

Até 2004, ninguém sabia que animais tinham vivido nos trópicos sul-americanos durante a época do paleoceno, entre 65,5 a 56 milhões de anos atrás. Então, um estudante descobriu as primeiras provas de um grupo de animais há muito esquecidos – entre eles estava a titanoboa, a maior serpente que alguma vez terá existido.

Este monstro gigantesco viveu há 50 milhões de anos e era tão grande que podia esmagar e devorar crocodilos pré-históricos. Com 15 metros de comprimento e maior que um autocarro, a titanoboa (titanoboa cerrejonensis) encontrava-se no topo da cadeia alimentar de então e foi descoberta, assim como outros fósseis, numa mina de carvão em Cerrejón, na Colômbia.

A serpente pesava 1.100 quilos, tendo sido encontrados, na expedição de 2004, 28 indivíduos.

Utilizando como guia a correlação conhecida entre o corpo de uma serpente e a temperatura ambiente, a equipa de investigadores estimou que temperatura média desta floresta tropical encontrava-se entre os 29ºC e 32ºC. Hoje, a temperatura das florestas tropicais varia entre 26ºC e 27,5ºC. “Esta aparente pequena diferença foi um factor necessário para a evolução dos grandes répteis de Cerrejón, incluindo os grandes crocodilos e tartarugas – todos maiores que os seus parentes”, explicou o Smithsonion.

Comentários (Facebook):

Deixar uma resposta