etiqueta_energetica_electrodomesticos

Na semana passada a Comissão Europeia, o Conselho e o Parlamento Europeus acordaram várias alterações a serem introduzidas na etiqueta energética dos equipamentos. A etiqueta energética vai regressar à escala A-G, tida pela organizações de defesa do ambiente como mais eficiente. escala sempre defendida pelas organizações de defesa do ambiente, como sendo a mais eficiente. Por cá, a associação ambiental Zero defende que estas alterações devem ser introduzidas rapidamente no mercado para que os cidadãos possam alcançar as poupanças de energia esperadas, que esta revisão trará.

As instituições europeias chegaram a um acordo em 21 de Março para retomarem a escala original para a Etiqueta Energética da UE (A-G), eliminando a confusão com as classes posteriormente introduzidas (A +, A ++, A +++). No entanto, não se conseguiu estabelecer um prazo comum para a implementação da nova escala em todos os produtos e, por exemplo, para os produtos de aquecimento a aplicação da nova etiqueta poderá ocorrer apenas após 2030. No caso dos electrodomésticos e televisores, as novas etiquetas devem ser introduzidas até 2020.

As instituições anunciaram também o desenvolvimento de uma base de dados de produtos ao nível europeu, que deverá começar em 2019 e permitirá o acompanhamento eficaz e a futura alteração da etiqueta energética.

Os Estados-Membros e as autoridades de fiscalização do mercado terão acesso a dados em tempo real e uma visão global do mercado, enquanto os consumidores beneficiarão de uma comparação mais fácil da eficiência energética dos diferentes produtos.

Para Francisco Ferreira, presidente da Zero,” esta reformulação da etiqueta energética para a escala A-G vem clarificar junto dos consumidores europeus quais os equipamentos energeticamente eficientes, de modo a que estes possam fazer uma escolha informada e reduzir as suas facturas energéticas. A sua aplicação, o quanto antes, em todos os equipamentos que já têm etiqueta é fundamental para esclarecer de vez qualquer tipo de dúvidas que os consumidores possam ter.”

Também para Pieter De Pous, director de Política da organização EEB, esta nova etiqueta energética “irá promover os produtos mais eficientes para os consumidores, dando-lhes uma alternativa imparcial e confiável em relação à publicidade agressiva por empresas que se afirmam falsamente como verdes. Para que os consumidores possam realmente colher seus frutos, a etiqueta energética deve agora ser aplicada a mais produtos – começando com as TIC, equipamentos de escritório e pequenos aparelhos eléctricos.”

Foto: via Creative Commons 

Comentários (Facebook):

Deixar uma resposta