Arquitectura genética: um edifício que se adapta às mudanças de temperatura (com VÍDEO)

A Universidade do Sul da Califórnia (USC) construiu um pavilhão metálico que muda consoante as condições atmosféricas, um projecto que consiste em 14 mil peças de um material biometálico chamado termobiometal e que podemos encontrar, por exemplo, nas bobinas de um termostato tradicional.

Denominado Bloom, o projecto parte do conceito de arquitectura genética de Karl Chu, uma visão futurista em que os edifícios se adaptam, metamorfoseiam e reagem às mudanças do seu ambiente e habitat.

O pavilhão foi construído em Silver Lake, Los Angeles, e tem cerca de seis metros de altura. Criado por Doris Kim Sung, professora assistente da USC de Arquitectura, o pavilhão utiliza este componente metálico para, quando a temperatura mudar, este se expandir em diferentes formas – ondulando para cima ou para baixo – dando a sensação que reage ao clima.

“Durante muito tempo, o meu trabalho examinou a forma como a arquitectura é estática e não-respondível, e porque razão esta não pode ser mais flexível, como a roupa. Porque razão temos de nos adaptar à arquitectura em vez de ser esta a adaptar-se a nós? Porque razão os edifícios não podem ser animados?”, questionou Sung em comunicado.

Recorde outra notícia recente sobre a investigação na USC.

A estrutura acaba por funcionar como uma espécie de chapéu-de-sombra, que automaticamente se abre e fecha de acordo com as mudanças da temperatura e com a luz exterior. Este mecanismo pode ainda ser aplicado às condições do vento.

Sung, que continua a trabalhar e estudar a integração dos termobiometais nos edifícios, bebe a sua inspiração nas capacidades biológicas das traqueias dos insectos. E é, sem dúvida, uma forma interessante de demonstrar como os materiais existentes podem ser utilizados para reduzir as necessidades energéticas dos edifícios, apesar da complexidade do tema.

Deixar uma resposta

Patrocinadores

css.php