Portugal tem taxa de auto-suficiência alimentar de 81%

Portugal tem taxa de auto-suficiência alimentar de 81%

Portugal apresenta um grau de auto-suficiência alimentar de 81%, de acordo com dados do Instituto Nacional de Estatística trabalhados pelo Jornal de Negócios. Segundo o jornal, os produtos agrícolas registam o maior grau de auto-suficiência, seguidos das pescas e, finalmente, dos produtos da indústria alimentar.

O vinho é o único produto que regista uma taxa de auto-suficiência superior a 100%, ainda de acordo com a mesma fonte. É também o produto mais exportado da sua área.

Nos produtos agrícolas, que incluem o vinho e o azeite, o grau de auto-suficiência situa-se nos 83%. O valor revela “uma forte dependência do exterior em cereais e oleaginosas”.

Os produtos provenientes do sector das pescas registam uma auto-suficiência de 82%, entre 2006 e 2010, e o grau dos produtos da indústria alimentar é de 79%. Os dados revelam que o País assegura uma procura interna de frutos e hortícolas transformados, sem excedentário, no entanto, em conservas de peixe. A maior dependência do exterior verifica-se nos produtos da indústria alimentar da pesca.

Já as bebidas – onde não se inclui o vinho –, evidenciam um crescimento sustentado entre 2006 e 2010, tendo atingido um grau de auto-suficiência de 96% em 2010. O país é auto-suficiente em cerveja e água mineral natural, estando dependente de outras bebidas alcoólicas e não alcoólicas.

Em relação às exportações, o vinho é o principal produto agrícola vendido para o exterior, representando 50,1% do valor total das exportações deste tipo de bens entre 2006 e 2011. As exportações de vinho renderam €658 milhões em 2011.

O segundo produto mais vendido para o exterior é o azeite, que representa 7,5% do valor total, somando €150 milhões em 2011.

Comentários (Facebook):

Patrocinadores

css.php