Zoo dinamarquês pondera matar segunda girafa

Zoo dinamarquês pondera matar segunda girafa

Depois de toda a polémica à volta da morte da girafa Marius, este domingo, num zoo de Copenhaga, um segundo zoo dinamarquês pode matar outra girafa, ironicamente com o mesmo nome, nos próximos dias.

A notícia está a ser avançada pelo Dodo e explica que esta girafa, de sete anos, vive no zoo Jyllands Park, em Videbaek, e está de perfeita saúde. No entanto, o zoo informou que ele não pode reproduzir-se porque a sua composição genética já está representada nas outras girafas. Ou seja, será possível que “Marius seja eutanizada se o zoo adquirir uma nova girafa fêmea para acasalar com a girafa macho já existente”.

De acordo com Janni Lojtved Poulsen, tratador da Jyllands Park, explicou ao Guardian que ainda não há certezas sobre quando o zoo iria adquirir uma segunda girafa fêmea. “Se nos disserem que teremos de eutanizar [Marius], claro que o faremos”, explicou Poulsen.

O responsável explicou ainda que os recentes protestos pela morte da girafa Marius no zoo de Copenhaga não o afecta. “Não nos afecta de nenhum modo. Estamos completamente de acordo com Copenhaga e faríamos o mesmo”.

O zoo já explicou, no Facebook (e em dinamarquês), que está a trabalhar de perto para manter a saúde da população de cada espécie. “Isto significa que alguns animais poderão ser mortos para manter a saúde dos outros e evitar endogamia”, afirmou.

“No longo prazo, poderemos ter de matar ou retirar uma girafa do parque. Se o nosso coordenador decidir que esta terá de ser morta, então isto deve-se ao nosso entendimento que é a melhor solução para manter os outros animais saudáveis, sem endogamia”, concluiu o zoo.

Tal como no caso de Copenhaga, existe já uma petição online para salvar a girafa Marius.

Foto: ÓscarB / Creative Commons

Comentários (Facebook):

Deixar uma resposta

7 comments

  1. JP

    E castrar os animais, não resolve o problema da procriação? É preciso matá-los?

  2. Desgraçada da girafa. Que só quer ser feliz, nem sequer é carnivora. É uma falta de sensibilidade digna dos piores torturadores e assasinos. Como se pode matar um animal, olhando-o nos olhos. O que o justifica ? Alguns de nós continuam na Idade média

  3. Sara Portas

    Só um perfeito acéfalo mata uma jovem girafa saudável de um Zoo para a dar a comer aos leões… na Dinamarca não há uma sociedade protectora de animais que ponha uma queixa-crime em tribunal contra esse coordenador do Zoo e o suspenda de imediato?

  4. João Marques

    Vocês todos devem pensar que os Leões comem erva!!!!!!!!
    Se não for a girafa é outro ANIMAL qualquer…..
    Qual é a diferença?!!!

  5. rui moreira

    dica para os atrasados mentais,injetem os cabecilhas da ideia,pois esses é que estao a mais.

  6. João Costa

    Infelizmente vejo nos comentários a ideia feita na generalidade das pessoas sobre os animais que só tem trazido histerismos e maus resultados na conservação das espécies, o que verdadeiramente interessa.

    De uma vez por todas devemos meter na cabeça que os animais não são pessoas e que eutanizar um animal não é bem a mesma coisa que matar alguém. Se um animal pode cruzar com outro com algum grau de parentesco vai ter consequências por muitos anos vindouros, daí que esse animal tenha que ser retirado dessa convivência.
    Se não há condições ou acordos com outros Zoos para os retirar convenientemente, é abatido.
    Não podemos estar constantemente exaltados com animais que nos metem “pena”, sim porque também gosto de girafas, golfinhos e assim, mas esquecermos que eles são…animais. Porque não temos este sentimentos quando são dizimadas colónias de coelhos em excesso, ou de peixes, ou de moscas, formigas ou pulgas? O que é uma pulga menos que uma girafa?

    Isto tem vindo a ficar pior, principalmente com a defesa absolutamente exarcebada dos animais mais bem tratados pelo homem, os cães, os gatos e os touros, esquecendo os verdadeiros dramas que se vivem nos animais comestíveis e nas espécias em desaparecimento, que são cada vez mais.

    Quanto à dissecação do corpo, lamento, mas também concordo. É a natureza, habituem-se. Saber como é composto um animal, os tamanhos dos seus orgãos, os diferentes ossos e suas funções chama-se educação e conhecimento. Pode chocar-nos as crianças verem aquilo, mas n esqueçam que as crianças têm menos sensibilidades neste aspeto do que os adultos. Nos EUA dissecam sapos nas aulas, cá qualquer adolescente ficaria horrorizado ao fazê-lo, é uma questão de perspetiva e do tipo de educação dado.

    Lamento esta defesa de animais sempre baseada em critérios de carinho e não de racionalidade esteja a levar à perda de força e de visibilidade de verdadeiras causas e discussões que se devem ter sobre os animais, como a questão das pescas, da carne para consumo humano e das suas consequências e da extinção das espécies que é cada vez maior.

    m vez da verdadeira defesa das espécies

  7. Ana

    Trá de explicar porque não deu a girafa ao zoo que se propôs recebê-la.E porque não optaram pela castração.Quer-me cá parecer que existe uma mentalidade tipo nazi – estes nórdicos, lá no fundo, ainda são bárbaros…

Patrocinadores

css.php