EUA: presos vão gerir 1,2 hectares de terreno agrícola

EUA: presos vão gerir 1,2 hectares de terreno agrícola

O centro correccional de San Diego, na Califórnia, está a construir infra-estruturas para o seu novo projecto de inclusão social e alimentação saudável, que transformará os presos em agricultores. O projecto chama-se FARM (Farm and Rehabilitation Meals) e começará por dar noções de agricultura sustentável a todos os interessados. Caso seja aprovado pelas autoridades de saúde da prisão, os alimentos serão consumidos dentro dos próprios edifícios.

Num primeira fase, serão escolhidos 20 presos-agricultores, noticiou o The Huffington Post. Estes irão trabalhar 1,2 hectares de terra e elevar hortas acessíveis, um vez que parte da população da prisão tem deficiências motoras.

“Nestes espaços vamos ensinar a comunidade a tratar de jardins, compostar e lidar com a água neste ambiente”, explicou Wehtahnah Tucker, coordenador do programa. “Vamos comprar uma cisterna, utilizar as águas cinzentas e captar água da chuva”.

Segundo os responsáveis de San Diego, a ideia de se lançaram na agricultura partiu da análise das taxas de reincidência dos presos que frequentaram estes programas – na verdade, existem apenas três prisões, nos Estados Unidos, que investem neste tipo de inclusão. Assim, estas taxas rondam os 5 a 10%, contra 61% nas restantes prisões da Califórnia.

A primeira fase do programa irá custar €2.900 (R$ 8.900) à prisão, sendo inteiramente financiada pelos grupos privados e indivíduos. Todo o programa será desenvolvido em parceria com a Wild Willow Farms, uma escola de agricultura sustentável de San Diego, e com o San Diego Community College.

“Queremos criar mais oportunidades para presos, para que eles tenham uma experiência enriquecedora enquanto cá estão. Para que, quando saírem, não voltem. Queremos que eles sejam produtivos enquanto estão presos”, explicou Tucker.

Recorde-se, como o Green Savers adiantou no início do mês, mais de 4.300 presos da Califórnia preparam-se para combater fogos– o que lhes permite atenuar a sua pena e ganhar algum dinheiro.

Comentários (Facebook):

Deixar uma resposta

1 comment

  1. carolina

    Ora aí está uma medida correcta.Quem não trabuca, não manduca.Uma boa dica para a Srª Ministro da Justiça(não gosto de ministra)levar em linha de conta.Quem está numa prisão de certesa que não foi por ser bem comportada!Por isso mesmo o restos dos compatriotas não tê que trabalhar para eles comerem.O trabalho faz bem ao fisico e à mente e uma pessoa deve sentir-se bem quando é útil a ele e à sociedade.

Patrocinadores

css.php