Novas espécies de rãs dançantes descobertas nas montanhas da Índia (com FOTOS)

Uma rã dançante

Cientistas indianos descobriram 14 novas espécies de rãs nas florestas montanhosas do sul do país. De acordo com os investigadores, estas novas espécies de anfíbios são rãs dançantes, que devem o seu nome aos movimentos estranhos que executam para atrair um parceiro.

Contudo, apesar de acabarem de ter sido descobertas, estas novas espécies estão já em risco. Durante os 12 anos que os cientistas tentaram comprovar a sua existência, com marcadores de ADN e através de descrições morfológicas, o número de anfíbios diminuiu drasticamente. Estas espécies procriam depois das monções do início do ano em pequenos cursos de água rápidos. Porém, o seu habitat está a tornar-se cada vez mais seco, muito em parte devido à desflorestação potenciada pelo crescimento da população indiana.

O estudo, onde as novas espécies são listadas, publicado na revista científica do Ceilão, aumenta para 24 o número de espécies de rãs dançantes da Índia. As espécies são apenas encontradas nos Gates ocidentais da Índia, uma região montanhosa que se estende por 1.600 quilómetros desde o estado de Maharashtra até ao ponto mais a sul do país, refere o Guardian.

Apenas os machos executam este ritual de acasalamento. Quanto maior for a rã macho mais vai dançar. Os machos utilizam ainda as suas pernas extensivas para afastar outros machos concorrentes, já que o rácio dos anfíbios costuma ser de 100 machos para uma fêmea.

Estas rãs são de pequenas proporções, não maiores do que uma noz e são facilmente transportados por riachos de correntes rápidas. Assim, a época de acasalamento ocorre apenas quando o nível de água dos cursos é mais elevado. Se os cursos não transportarem água suficiente ou secarem demasiado cedo, as rãs não têm as condições ideais para acasalar.

A maior parte das 24 espécies de rãs dançantes habitam apenas uma pequena área. Segundo os cientistas, sete espécies habitam no que é descrito como habitat degradados e outras 12 vivem em locais que estão em declínio ecológico.

Comentários (Facebook):

Deixar uma resposta

Patrocinadores

css.php