Portuguesa Suma ganha contrato de €68 milhões para desenvolver serviços ambientais em Omã

A empresa portuguesa de serviços ambientais Suma, que pertence ao grupo Mota-Engil, acabou de ganhar um contrato de €68 milhões para desenvolver actividades de recolha e transporte de resíduos urbanos, entre outros, no sultanato de Omã.

O contrato, que tem duração de sete anos e a possibilidade de extensão por mais dois, contempla ainda recolha e transporte de monos e monstros, resíduos de construção e demolição, pneus usados, e resíduos de equipamentos eléctricos e electrónicos; gestão de equipamentos de contentorização; gestão e operação de seis estações de transferência e de um aterro sanitário.

Os trabalhos tiveram início a 30 de Dezembro e vão servir a província de Al Sharqiyah Sul (incluindo a ilha de Masirah), bem como o município de Mahawt (que pertence à região de Al Wusta), cobrindo uma área de cerca de 23 mil km2 e abrangendo uma população de mais de 230.000 habitantes.

De acordo com a Suma, o contrato integra ainda serviços de sensibilização ambiental, cujo lançamento coincidiu com a restante operação. “A área de intervenção, muito extensa e diversificada, contempla montanhas de difícil acesso, zonas de deserto e o transporte de resíduos através de barco – desde a ilha de Masirah -, representando um desafio acrescido, em termos de adaptação à realidade local”, continuou a empresa.

No final de 2014, a Suma já tinha ganho o concurso para o encerramento de seis lixeiras no norte de Omã.

A empresa tem duas décadas de experiência nos serviços ambentais e mais de três dezenas de empresas a si associadas. Recentemente, a Suma adquiriu a EGF, holding que detém os 11 sistemas multimunicipais de tratamento de resíduos portuguese. Está também presente em África, América do Sul e Médio Oriente.

Foto: U.S. Army Corps of Engineers Norfolk District / Creative Commons

Deixar uma resposta

Patrocinadores

css.php