ONU: avisar atempadamente agricultores de fenómenos naturais extremos é vital

seca-africa

A ONU está a criar um sistema de alerta com o objectivo de avisar atempadamente governos e agricultores de eventuais fenómenos extremos, tal como secas ou chuvas torrenciais.

A FAO-Organização para a Alimentação e a Agricultura e a Organização Meteorológica Mundial estão a trabalhar em conjunto para desenvolver este sistema de alerta. “Isso vai-nos permitir, três meses antes, saber se vai chover, se vai ter seca e colocar medidas preventivas”, disse o secretário-geral da FAO, José Graziano da Silva, em declarações à Rádio oficial da ONU.

A ideia defendida pelo secretário geral da FAO é que este código de alerta consiga minimizar as consequências de fenómenos naturais extremos, caso do El Niño, que só este ano e só em África, colocou dezenas de milhões de pessoas em risco de fome, devido à pior seca dos últimos 35 anos.

José Graziano da Silva reforça assim a ideia de que é de vital importância que os agricultores estejam capacitados para antecipar os cada vez mais frequentes fenómenos naturais. Ter um planeamento prévio alinhado ajudará a reduzir o impacto dos fenómenos extremos e a proteger colheitas, assim como a insegurança alimentar.

Depois de dois anos consecutivos de seca, incluindo a pior dos últimos 35 anos, o balanço é bastante negativo: na África Austral quase 40 milhões de pessoas estão em risco de insegurança alimentar até ao início do próximo ano; vários países declararam o estado de emergência devido a seca, e como consequência directa, a seca matou mais de 640 mil cabeças de gado no Botsuana, Suazilândia, África do Sul, Namíbia e Zimbabué, devido a falta de pasto, falta de água ou surtos de doenças.

A seca actual nestes países deve-se ao impacto do fenómeno El Niño e os seus efeitos deverão atingir o nível máximo entre Janeiro e Março de 2017, calcula a Organização para a Alimentação e a Agricultura. Em contraponto, teme-se agora também o fenómeno La Niña, que se acredita trará chuvas torrenciais, com grandes riscos de inundações associados.

Comentários (Facebook):

Deixar uma resposta

Patrocinadores

css.php