desperdício alimentar

Nos dias que correm há ainda alguma falta de informação no que diz respeito ao desperdício, em especial na área alimentar. Este é um problema de direitos humanos e de gestão de recursos limitados à escala planetária.

Este problema tenderá a agravar-se à medida que a população mundial cresça até aos 9 mil milhões de pessoas em 2050 e que os efeitos das alterações climáticas, da diminuição da disponibilidade da água potável e da perda de biodiversidade se façam sentir na produção de alimentos, pelo que é decisivo que se alerte para a existência de uma dimensão ética na preservação e na partilha dos recursos naturais.

Sendo a alimentação a actividade humana que, provavelmente, mais impactos ambientais gera, a ZERO aproveita o Dia Mundial da Terra, que se comemora amanhã, para deixar algumas sugestões para que a sua vida no planeta Terra possa ser mais saudável, responsável e sustentável:

1- Faça uma alimentação equilibrada, de acordo com a roda dos alimentos, reduzindo o consumo de proteína animal, nomeadamente a carne

2- Planeie as suas refeições antes de ir às compras, por forma a evitar que sobrem alimentos por utilizar e que os mesmos se degradem

3- Sempre que adquirir produtos perecíveis, verifique os rótulos e saiba distinguir entre “consumir até” (refere-se à segurança alimentar) e “consumir de preferência antes de” (o alimento pode ser consumido após a data, mas poderá perder algumas das suas características com o passar do tempo)

4- Prefira os produtos locais e da época, havendo uma oferta de produtos oriundos de países distantes muito para além do que é desejável, muitos deles passíveis de serem produzidos no nosso país, desde que apoiados por políticas agrícolas públicas adequadas

5- Faça a confecção dos alimentos tendo em conta a validade dos mesmos e a possibilidade de cozinhar em doses a utilizar em mais que um dia

6- Reaproveite sempre as sobras dos alimentos já confeccionados

7- Quando for ao restaurante e sobrar comida, lembre-se de pedir um recipiente ou leve um recipiente de casa para que possa utilizar as sobras mais tarde, aproveitando o momento para sensibilizar o responsável do estabelecimento para que as doses/pratos sejam servidas com maior moderação

8- Se possível, faça compostagem doméstica dos restos alimentares vegetais que não consumir, sendo esta uma forma de devolver aos solos os nutrientes que as plantas que consumimos deles extraem, evitando que 40% dos resíduos das nossas habitações acabem em aterro ou queimados numa central de incineração.

Foto: via Creative Commons 

Deixar uma resposta