The Brando

Fotos: The Brando/Pacific Beachcomber

 

Tetiaroa é uma ilha perdida no Pacífico, 48 quilómetros a norte do Tahiti. Mais do que uma única ilha é um atol de várias pequenas ilhas e recifes de coral em redor de uma lagoa de um azul impossível. Nos anos 1960, Marlon Brando encontrou este pequeno paraíso quando sobrevoava a região explorando cenários para o filme “Revolta na Bounty”. Apaixonou-se perdidamente por Tetiaroa, comprou-a e transformou-a no seu refúgio pessoal, mantendo-a intacta e preservada durante os 50 anos seguintes. Por isso, além dos seus amigos de Hollywood, entre os convidados habituais estavam sempre ecologistas e arqueólogos. As casas que construiu eram rudimentares, feitas com madeira local e telhados de palmeira, e raramente havia água quente.

Tetiaroa também tem um lugar especial na história e na cultura polinésia. Foi retiro exclusivo da casa real taitiana durante séculos, e ainda é possível encontrar por lá vestígios das antigas marae (templos) construídas no atol pelos primeiros polinésios.

Há cerca de três anos, a empresa de turismo Pacific Beachcomber assumiu a gestão da ilha e transformou-a num eco-resort muito exclusivo, que rapidamente atraiu celebridades de todo o mundo: da muito mediatizada lua-de-mel de Pipa Middleton a Leonardo DiCaprio e Barack Obama.

The Brando é composto por 35 villas – que podem ter um, dois ou três quartos -, mas que se integram perfeitamente na paisagem, utilizando apenas materiais de origem local,​ incorporando componentes reciclados. Cada uma tem praia privativa, banheira ao ar livre, piscina, sistema de ar condicionado que usa água do mar, geradores que funcionam com óleo de coco e electricidade solar, produzida a partir de painéis solares fotovoltaicos ao longo da pista de aviação. O aquecimento solar fornece toda a água quente do resort. E existe um jardim orgânico que fornece quase todos os frutos e vegetais consumidos na ilha.

E porque existe na ilha uma eco-estação de pesquisa da Tetiaroa Society, organização sem fins lucrativos que lidera a missão científica e cultural de protecção do atol, os hóspedes são convidados a explorar a área na companhia de biólogos e guias naturalistas, ficando a conhecer melhor este paraíso natural e perceber na sua plenitude a importância do trabalho que aqui é feito. É que The Brando estabelece um novo padrão mundial no mundo da hotelaria, neutro em carbono e próximo de ser auto-sustentável.

Deixar uma resposta