Tijolos ecologicos

À margem da ARCHI SUMMIT, a cimeira de arquitectura que se realiza em Lisboa, a Quercus promove hoje, junto com o Portal da Construção Sustentável, um seminário onde mostra as opções de materiais reciclados para a construção existentes no mercado português. E onde apelam também para um aumento da taxa de incorporação de materiais reciclados de 5% para 25%, com o objectivo de escoar os produtos produzidos a partir de processos de reciclagem.

Isto porque apesar de existir uma ampla oferta, a obrigatoriedade de incorporação de materiais reciclados na construção e reabilitação de edifícios é de apenas 5%. E não existe sequer conhecimento real sobre o seu cumprimento efectivo. É urgente intervir, até porque o sector da construção é dos mais poluentes, sendo responsável “pelo consumo de 50% dos recursos naturais, pela produção de mais de 50% dos resíduos, pelo consumo de mais de 40% de energia (nos países industrializados, sendo em Portugal cerca de 20% da energia total do país) e produzidas cerca de 35% das emissões de gases com efeito de estufa de CO2”, como refere o comunicado da Quercus.

No resto da Europa a situação é bastante heterogénea, já que a taxa de reciclagem e reutilização deste tipo de resíduos varia entre menos de 15% nos países do sul, como Portugal, Espanha e Grécia e mais de 90%  em países como Dinamarca, Alemanha e Holanda. Ou seja, também aqui será necessário um esforço para copiarmos as melhores práticas e convergimos com o resto da Europa.

Comentários (Facebook):

Deixar uma resposta