Fontana di Trevi Roma_

Os efeitos da seca que se faz sentir nalguns países europeus, Portugal incluído, teve, para já, uma consequência extrema: as autoridades da região da Lázio decidiram que não se irá continuar a explorar as águas do lago Bracciano, um dos que abastece Roma, privando assim a capital do país de água durante oito horas, um terço do dia. A Acea, empresa que gere o abastecimento, avisou por seu turno que o racionamento terá de acontecer em turnos alternados, que tanto podem acontecer de noite como de dia.

“Assistimos a uma tragédia” referiu o presidente da Lázio, Nicola Zingaretti, quando decidiu interromper a utilização do lago, a cerca de quarenta quilómetros da capital, e cujo nível de água desceu já 1,5 metros, colocando em perigo o equilíbrio ecológico na zona.

Segundo o La Repubblica, a Itália está sob a maior seca dos últimos 200 anos.  E desde o tempo dos imperadores romanos, e dos grandes aquedutos, que a cidade eterna nunca tinha sentido tão gravemente os efeitos de uma seca. 

Foto Creative Commons

Comentários (Facebook):

Deixar uma resposta