floresta queimada

A Ordem dos Médicos Veterinários (OMV) quer que a Protecção Civil passe a integrar estes profissionais nos seus quadros e desenvolva um plano de contingência para animais em situação de catástrofe. Tal como referiu o Bastonário da OMV, Jorge Cid, em declarações à agência Lusa, “a prioridade são as pessoas, mas tem que haver um plano paralelo, que inclua não só veterinários mas também engenheiros zootécnicos e outros profissionais, que possam ocupar-se da parte animal”.

A proposta surge na sequência dos grandes incêndios da região centro, que mataram também milhares de animais e deixaram os sobreviventes sem fontes de alimento. Na altura, a OMV reagiu prontamente e foram vários os veterinários que estiveram no terreno, ajudando explorações agrícolas, pequenos proprietários de gado e de animais de companhia. Mas sempre numa lógica de voluntariado e boa fé, sem qualquer plano pré-determinado ou coordenação definida com as autoridades. É essa situação que a OMV quer rever agora, para que resposta possa ser a mais adequada.

Nesse sentido, a OMV pediu já reuniões com o Ministério da Agricultura, Florestas e Desenvolvimento Rural e com o Ministério da Administração Interna. Esperemos que aconteçam em breve, para bem de todos os animais, incluindo os selvagens.

Foto Wiki Commons

Deixar uma resposta