Desde Setembro de 2012 que o Grupo Lobo, da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa, tem no terreno o projecto europeu LIFE MED-WOLF. O balanço, após mais de quatro anos, é positivo.

O projecto LIFE MED-WOLF – Boas Práticas para a Conservação do Lobo em Regiões Mediterrânicas teve por primeiro objectivo diminuir o conflito entre as actividades humanas e a presença do lobo nas regiões rurais, onde os hábitos de coexistência se foram perdendo com o tempo.

Implantado em Itália e Portugal, no caso nacional nos distritos da Guarda e Castelo Branco, o projecto teve diversos níveis de intervenção. Foi às escolas, divulgou informação sobre o lobo-ibérico junto da população rural, formou técnicos envolvidos na conservação desta espécie tão ameaçada, estabeleceu pontes com as autoridades e sobretudo ajudou a prevenir prejuízos. Para este efeito encorajou o uso de vedações eléctricas, de bons cães e de um maneio correcto do gado, fornecendo gratuitamente aos criadores cães Serra da Estrela e materiais para as vedações.

Após cerca de quatro anos e meio, o Grupo Lobo anunciou que: “apesar da intensificação da presença do lobo, as atitudes face a este predador” registaram “uma ligeira evolução positiva”.

Outro dos objectivos que o Grupo Lobo destacou foi o desenvolvimento do ecoturismo centrado na presença tutelar do último dos grandes carnívoros de Portugal e da Península Ibérica, uma actividade de sedução que também deu bons frutos.

Foto: JaCkeline Fidelsin