A sociedade está a movimentar-se para acabar com a dependência que a sociedade tem dos combustíveis fósseis. E este é um movimento que não podia vir em melhor hora. De acordo com a European Environment Agencey (EEA), “90% dos habitantes de cidades estão expostos a poluentes em concentrações superiores aos valores considerados nocivos para a saúde”, o que provoca situações que vão desde problemas respiratórios a morte prematura. É imperativo transitarmos os nossos transportes para fontes de energia limpas.

O Zero Emission Vehicle (ZEV) Challenge é uma iniciativa das ONGs The Climate Group e do C40 Cities que pede urgência à indústria automóvel na transição para o fabrico de automóveis elétricos. Pede também que as empresas aumentem os volumes de produção deste tipo de carros, com o objetivo de ajudar a atingir os objetivos delineados pelo Acordo de Paris no que toca a alterações climáticas.

Este desafio foi lançado como percursor do Global Climate Action Summit, uma conferência que se irá realizar em São Francisco, EUA, em setembro e que junta líderes mundiais de governos, empresas e comunidades para inspirar uma ação global relevante no que toca à resolução dos problemas relacionados com as mudanças climáticas.

O ZEV Challenge tem vários objetivos: pressionar os grandes fabricantes automóveis a mostrar o seu empenho em extinguir a produção de veículos movidos a combustíveis fósseis e a ter uma percentagem mínima de veículos elétricos até 2025; juntar mais empresas multinacionais no EV100, uma iniciativa que pretende juntar empresas empenhadas em eletrificar a sua frota de veículos e em transformar o transporte elétrico no novo normal até 2030; convencer estados e regiões a juntar-se à iniciativa Under2 Coalition que se foca na infraestrutura e políticas elétricas.  

Entre os apoiantes do ZEV Challenge estão o Estado da Califórnia, cidades como Londres, Roma, Cidade do México ou Nova Iorque, empresas como a EDF Energy e Unilever, e a comunidade autónoma de Navarra, em Espanha.