Frescos pré-embalados: qual o impacto desta prática no ambiente e nas nossas carteiras?

Basta uma pequena visita a um supermercado para sermos surpreendidos com a quantidade imensa de plásticos que habitam nas prateleiras destes estabelecimentos. Já nem os produtos frescos, como os legumes ou frutas escapam a esta prática. Mas será esta uma boa opção?

Legumes já cortados e lavados, prontos a ir directamente para o tacho pode parecer uma opção aparentemente prática, mas tem o seu reverso: não poucas vezes, o preço ao quilo é muito superior nesta situação.

Um exemplo? Um pacote de agrião de 100 gramas pode custar cerca de €2,5, ou seja, €25 o quilo, um valor muito superior ao de um molho de agrião a granel.

Também do ponto de vista ambiental, a utilização de frescos pré-embalados estamos a contribuir para uma maior produção de resíduos, além de que a sua durabilidade é por norma mais reduzida.

A ideia a reter deste Minuto Verde? Comprar a granel permite não só controlar melhor a quantidade que levamos para casa, como nos dá a possibilidade de usar as próprias embalagens, evitando-se assim o uso desnecessário de plásticos.

O Minuto Verde é uma rubrica produzida pela Quercus e emitida aos dias úteis na RTP.

Foto: via Creative Commons