Incêndios: só este ano já houve mais de 2500 ignições

O alerta surge de Jaime Marta Soares, presidente da Liga de Bombeiros: desde o início do ano já se registaram mais de 2500 ignições em território nacional, um número que aumentou exponencialmente nos últimos dias, quando o calor se voltou a sentir.

Só ontem, várias foram as notícias que davam conta de incêndios de norte a sul do país. Um dos fogos que mais preocupação levantou junto das populações e das autoridades teve lugar na freguesia de Cerva, concelho de Ribeira de Pena, distrito de Vila Real, com mais de 70 bombeiros chamados a intervir e com várias habitações em perigo.

Os dados preocupam o Presidente da Liga dos Bombeiros, que em declarações á agência Lusa, alerta que “estes incêndios têm de ser analisados caso a caso. Não nos podemos esquecer de que só este ano já houve mais de 2.500 ignições. É uma coisa incrível e, por isso, há que reflectir, saber o que se passa. Há também a registar um número exagerado de vítimas mortais resultantes de queimadas”, declarou Jaime Marta Soares.

Como explicar estes números quando ainda estamos tão distantes da chamada “época oficial de incêndios”? A elevada proporção de combustível na floresta e as alterações climáticas são apontadas pelo Presidente da Liga de Bombeiros como possíveis causas para este problema. “Estamos em Abril. Tem chovido muito, mas de repente vieram uns dias com temperaturas altas e vento e nesta quarta-feira houve de facto muito vento, que é o maior inimigo. As pessoas não fazem bem a análise. Antigamente nas zonas próximas das casas havia cultivos e por isso não havia uma propagação tão rápida como agora”, alerta.

Entre Janeiro e Fevereiro de 2018, a GNR registou 72 crimes de incêndio florestal, tendo igualmente instaurado 83 autos de contra-ordenação no âmbito do Sistema de Defesa da Floresta Contra Incêndios, devido sobretudo a queimadas ilegais.

No ano marcado pela tragédia dos incêndios, a GNR registou 21.952 ocorrências associadas a incêndios florestais, com o registo de 9.864 crimes. Neste âmbito houve 65 pessoas detidas por incêndio florestal, 919 pessoas identificadas e 4.578 contra-ordenações. Em termos de área ardida, 2017 fica na história como o ano em que arderam mais de 527 mil hectares de mato e floresta, mais 367 mil hectares do que em 2016.

Foto: Gonçalo Villaverde / flickr