Suécia, o país que recicla 99% dos seus resíduos

A Suécia é neste momento líder mundial em questões ambientais, com as suas estradas eléctricas e planos para estar livre de combustíveis fosseis até 2050, mas continua empenhada na luta pela defesa do meio ambiente.  Para além destes dois casos de sucesso, o país é também líder na reciclagem dos seus resíduos, atingindo mesmo percentagens de 99%, e apenas uns míseros 1% de lixo parados em aterros. Tudo graças a um processo sustentável que aproveita o lixo de todo o país e o transforma em energia.

De acordo com o jornal Global Citizen, dos 4,4 milhões de toneladas de lixo doméstico produzidos anualmente nos lares suecos, cerca de 2,2 milhões são convertidos em energia através do processo de waste-to-energy (WTE). Os resíduos recolhidos são encaminhados para as centrais de incineração e queimados para produzir vapor que, posteriormente, servirá como “combustível” para pôr as turbinas a funcionar e gerar electricidade.

Na realidade, a Suécia é tao eficiente nas suas práticas de gestão de resíduos, que actualmente já importa cerca de 800 mil toneladas de lixo dos países vizinhos, para a produção da própria electricidade nas mais de 32 fábricas próprias espalhadas pelo país.

“Quando resíduos ficam parados em aterros sanitários, há libertação de gás metano e outros gases de efeito estufa, o que obviamente não é bom para o ambiente”, conta Anna-Carin Gripwell, directora de comunicação da gestão de resíduos do país, ao Huffington Post.

O sistema de recolha de resíduos está dependente da responsabilidade dos residentes na reciclagem do seu lixo, prática comum no país. Os cidadãos fazem uma criteriosa selecção e separação do seu lixo, resultando esta atitude nuns impressionantes 99% de lixo reciclado por todo o país. Com percentagens tão elevadas de reciclagem, o país está a um pequeno passo de atingir a meta de “país com zero desperdício” até 2020.  O vídeo que explica em detalhe todo o processo de reutilização do lixo da Suécia pode ser visto aqui.

Foto: Holger Ellgaard

Deixar uma resposta