O design social vive hoje abafando pela mensagem publicitária, que “de forma inteligente adere a causas pontuais” mas numa relação de “proveito acrescentado para a memória dos seus produtos”, defende o portuense João Borges.
CONTINUAR A LER