Muitos de nós provavelmente nem pensa nisso, mas a realidade é que os tubos de escape dos carros e táxis que entopem as nossas cidades são uma das principais fontes de poluição citadina. De acordo com a European Environment Agencey (EEA), “90% dos habitantes de cidades estão expostos a poluentes em concentrações superiores aos valores considerados nocivos para a saúde”, o que provoca situações que vão desde problemas respiratórios a morte prematura. E o recente escândalo Dieselgate, em que ficámos a saber que várias marcas mentem sobre as emissões dos seus carros, mostra o quão importante é transitar de veículos a combustão interna para veículos elétricos.

Assim, são boas notícias que o Governo português esteja a trabalhar no sentido de limitar o número de anos que os táxis podem circular nas estradas e a criar um fundo para incentivar a compra de táxis elétricos. Se a primeira medida ainda não passa de uma recomendação feita ao Ministério do Ambiente, a segunda já viu a luz do dia.

Segundo o jornal Público, este apoio financeiro é feito em troca de um comprovativo de compra de um novo veículo totalmente elétrico, destinado ao serviço de táxi. O valor é majorado à idade do veículo para abate: 2500 euros se tiver mais de 10 anos, 5 mil se tiver mais de 15 anos e 7 500 euros para veículos com idade superior a 20 anos. No limite, o fundo pode chegar aos 12 500 euros. O Estado vai, também, apoiar a aquisição e instalação de postos de carregamento para os veículos, com 5 mil euros por posto.

A segunda medida, a do limite da idade dos táxis, será implementada com um período de transição, mas o Governo pretende que veículos deste tipo com mais de 12 anos sejam retirados de circulação.