odezhda dlya sobak mylovelypet.ru magazin odezhdy dlya sobak, kupit osheynik anti lay mozhno tut - osheynik-anti-lay

Tag Archive | "sustentabilidade"

Certificação global do açúcar mais lenta do que o previsto


As plantações de açúcar cresceram globalmente de 19 milhões de hectares, em 2000, para quase 24 milhões de hectares, em 2010 – o mesmo número do óleo de palma e do coco juntos – e prevê-se que a expansão continue a crescer, à medida que a procura de açúcar para confecção alimentar e etanol persiste.

Nos últimos anos, organizações como a Fairtrade, Rainforest Alliance e IFOAM Organic têm tentado enverdecer esta indústria, mas os esforços têm sido em vão. Em 2008, a Bonsucro – antiga Better Sugarcane Initiative, um programa desenvolvido em parceria com a WWF – tentou levar o açúcar certificado a um mercado global, mas todas as projecções iniciais têm sido desrespeitadas.

Hoje, cerca de 3,66% de todo o açúcar global é certificado. No entanto, em 2012, o antigo CEO da Bonsucro, Nick Goodall, prometeu chegar aos 5% dentro de dois anos – o que não aconteceu. Com os números revistos em baixa, as perspectivas de chegar aos 20% até 2017 são inexistentes.

A Bonsucro incluiu empresas como a Coca-Cola, a Ferrero ou pertolíferas como a BP e a Shell, mas há outras pedras no sapato da organização. A Tate & Lyle demitiu-se da parceria no início do ano, depois de alegações de que se terá apropriado de terras no Camboja.

“O standard da Bonsucro tem em conta o impacto social e ambiental. Os agricultores, moleiros, marcas, ONG uniram-se e disseram: precisamos de fazer alguma coisa. Eles querem um standard que possa mudar a indústria”, explicou a CEO da Bonsucro, Natasha Schwarzbach, ao Guardian.

Um dos membros fundadores da coligação, a Bacardi, comprometeu-se a comprar 100% de açúcar sustentável até 2022. Duas outras marcas, a Ferrero e a Coca-Cola, querem antecipar esta data em dois anos.

No entanto, tal não será fácil. O açúcar é plantado em 102 países, mas a Bonsucro apenas tem fábricas certificadas em dois deles, o Brasil e a Austrália. Existem seis países prioritários: Tailândia, Índia, Indonésia, Paquistão, México, Fiji. Também a América Central é uma das prioridades da coligação, de acordo com Schwarzbach, que admite tem um longo caminho à sua frente.

Foto: Jenny Mealing / Creative Commons

Publicado em Ética EmpresarialComments (0)

GPA discute o direito da ambiente, energia e mar


O Green Project Awards e a Vieira de Almeida & Associados (VdA) vão organizar uma conferência dedicada ao “Ambiente, Energia e Mar: uma questão de direito”. A iniciativa decorre no Auditório da VdA, em Lisboa, pelas 9h do dia 18 de Setembro, e pretende promover o debate sobre o papel do Direito na promoção da economia e crescimento sustentável.

Entre os temas discutidos, destaque para a questão da relevância de um enquadramento legal adequado para o crescimento da economia, em particular dos sectores do ambiente, da energia e do mar, mediante a análise de casos concretos de sucesso nestes sectores.

“Decorridos 27 anos desde a aprovação da primeira Lei de Bases do Ambiente, Portugal deu um salto gigantesco em áreas estratégicas que são hoje bandeiras do know-how e potencial nacional, como a água, os resíduos, a prevenção e controlo integrados da poluição e a inovação ambiental”, explicou Manuel Gouveia Pereira, Associado Coordenador da Área de Ambiente da VdA.

Consulte o programa da conferência e inscreva-se gratuitamente neste link.

09h00 Sessão de AberturaPedro Ferreirinha, Sócio da Vieira de Almeida & Associados
09h15 Enquadramento
09h35 Apresentação de case Ambiente Paulo Bessa, Diretor de Sustentabilidade da Corticeira Amorim

Manuel Gouveia Pereira, Associado Coordenador da Vieira de Almeida & Associados

10h05 Apresentação de case Energia(empresa a designar)

Vanda Cascão, Sócia da Vieira de Almeida & Associados

10h35 Coffee Break
10h50 Apresentação de case Mar António Isidoro, Administrador da Soja de Portugal

Isabel Gião Andrade, Sócia da Vieira de Almeida & Associados

11h30 DebateTodos os intervenientes
12h30 Sessão de Encerramento

 

Publicado em Eventos, PortugalComments (0)

México vai receber o aeroporto mais sustentável do mundo (com FOTOS)


Os projectos para a criação de mega-aeroportos proliferam, cada um com elementos mais sustentáveis que o anterior. Recentemente, o atelier Foster + Partners revelou o projecto daquele que seria o aeroporto internacional mais sustentável de todo o mundo, localizado na Cidade do México.

Vencedor de uma competição internacional, o projecto foi desenvolvido para cumprir com os requisitos da Leadership in Energy and Environmental Design Platinum. O aeroporto recorreria a um sistema pré-fabricado e único concebido para uma construção rápida e o mínimo de desperdícios.

Apesar da enorme pegada ecológica inerente, o aeroporto terá um único e compacto terminal envolto em vidro e aço para que grandes quantidades de luz possam iluminar o espaço. A mobilidade é também um dos aspectos enfatizados no projecto. Assim o aeroporto terá uma orientação fácil e intuitiva, com pequenas distâncias para percorrer a pé e poucos andares.

Os arquitectos optaram por colocar os sistemas de serviço do aeroporto para que os ductos e tubagem não perturbem a aparência do tecto abobadado. Para reduzir a dependência de combustíveis fósseis, o aeroporto vai aproveitar ao máximo a luz natural e estará equipado com painéis solares e sistemas de aproveitamento da água das chuvas. Será também adoptado um sistema de ventilação inteligente para que não seja necessário recorrer a aquecimento ou arrefecimento adicionais.

“A reinvenção do Aeroporto de Stansted nos anos 1990 foi ovacionada em todo o mundo. Este projecto quebra com esse modelo pela primeira vez. “É pioneiro de um novo conceito para uma grande extensão e vai atingir novos níveis de eficiência e flexibilidade – e vai ser lindo”, indica o atelier, cita o Inhabitat.

Publicado em Eco Design, EdifíciosComments (0)

México: 48 toneladas de peixes mortos no lago Cajititlan (com FOTOS)


Cerca de 48 toneladas de peixes foram encontrados mortos nas margens do lago Cajititlan, no estado mexicano de Jalisco, a cerca de 500 quilómetros da Cidade do México.

De acordo com o Le Monde, as autoridades locais afirmam tratar-se de um “ciclo natural”, mas responsáveis do estado não são da mesma opinião, acusando uma “pobre gestão dos recursos” como a causa mais provável.

“[Nego] categoricamente que este seja um fenómeno natural e cíclico”, explica a secretária de Ambiente da Jalisco, Maria Magdalena Ruiz Mejia. Segundo Maria Magdalena, mais peixes mortos deverão ser encontrados nos próximos dias.

“Não há nenhuma prova de que isto seja natural e cíclico, pelo contrário, temos variáveis que nos levam a acreditar que este fenómeno não só é recorrente e se está a tornar mais frequente e severo, como ele é causado pela pobre gestão do corpo de água”, continuou a responsável.

Segundo Maria Magdalena, a lama que vem das fábricas locais de tratamento de água é a culpada desta mortalidade. Por outro lado, e quando questionada pelos jornalistas locais sobre se poderia mostrar as provas da acusação, a responsável acusou as autoridades locais de proibirem o acesso ao local.

As autoridades emitiram um alerta ambiental para o lago, mas avisaram que a saúde humana não está em perigo. O lago Cajititlan tem nove quilómetros de comprimento e dois de largura, localizando-se a norte do bem maior lago Chapala.

Publicado em Recursos NaturaisComments (0)

Secadores e jarros de água mais potentes vão ser proibidos na União Europeia


Depois dos aspiradores, agora é a vez dos secadores, jarros de água e cortadores de relva mais potentes estarem na mira da União Europeia. A instituição pretende proibir os equipamentos mais potentes para atingir os seus objectivos de eficiência energética, e os secadores e cortadores de relva são os seguintes da lista – que se prevê longa – de aparelhos a serem proibidos nos próximos anos.

Segundo a União Europeia, dezenas destes equipamentos podem começar a ser proibidos já a partir da próxima Primavera: os secadores verão a sua potência reduzida em 30%, por exemplo. Muitos críticos acreditam que, com menos potência nos seus secadores, os consumidores irão utilizá-los por mais tempo, acabando por gastar a mesma energia.

Recorde-se que os aspiradores com mais de 1.600 watts vão deixar de ser fabricados já a partir de segunda-feira e, aos poucos, desaparecerão das lojas. A partir de 2017, o limite passará para os 900 watts.

A UE sustenta a medida com a necessidade de cumprir o potencial de economia de energia de 20% previsto para 2020 – e 30% até 2030 – e diz que não existe relação entre alta potência e eficiência do aspirador.

Segundo o Daily Telegraph, as vendas de aspiradores potentes aumentaram, no Reino Unido, nos últimos dias. A lista de produtos cuja versão mais potente a UE irá retirar do mercado tem 30 nomes – será reduzida para 20 até Janeiro de 2015. Depois, a UE decidirá, caso a caso, quais os produtos que serão proibidos.

Foto: sunshinecity / Creative Commons

Publicado em PolíticaComments (0)

Irlanda do Norte: utilização de sacos de plástico cai 72% desde introdução de pequena taxa


A introdução de uma taxa de €0,06 (R$ 0,18) por utilização de saco de plástico, na Irlanda do Norte, está a ter os resultados pretendidos pelos Governantes locais – a exemplo do que acontece noutros países.

De acordo com o Business Green, a utilização de sacos de plástico decresceu 72% a partir de Abril de 2013, data em que a taxa foi introduzida. Os primeiros números foram anunciados pelo ministro do Ambiente local, Mark Durkan, que revelou que foram utilizados menos 215 milhões de sacos de plásticos durante este período. Por outro lado, a taxa recolheu €5,2 milhões (R$ 15,5 milhões) para reinvestir em projectos ambientais locais.

“A comunidade paga a taxa e será beneficiada por ela”, explicou o responsável. A partir de Janeiro, a taxa será aumentada em 100%, para €0,12 (R$ 0,36).

Para além da Irlanda do Norte, também a Escócia, País de Gales e, mais recentemente, a Inglaterra introduziram taxas por utilização de sacos de plástico ou planeiam fazê-lo.

Em todo o mundo, vários países e cidades têm introduzido esta ou taxas similares. Em Portugal, os Açores aprovaram no início de Maio uma taxa idêntica – ou ecotaxa – que pode chegar aos €0,05 por utilização de saco de plástico.

Publicado em PolíticaComments (0)

Recomendações

Blogroll