odezhda dlya sobak mylovelypet.ru magazin odezhdy dlya sobak, kupit osheynik anti lay mozhno tut - osheynik-anti-lay

Tag Archive | "sustentabilidade"

Como dois estudantes mudaram a maneira como encaramos as caixas de cartão


Lidar com uma caixa de cartão nem sempre é fácil – tanto na sua montagem como na sua abertura. Foi com este problema que se depararam dois estudantes norte-americanos de engenharia e, desta dificuldade, surgiu a oportunidade de criar um novo conceito de caixas de cartão que vai mudar a maneira como encaramos estes objectos.

A ideia do Rapid Packing Container foi desenvolvida no último Verão, durante o Invention Factory, um curso intensivo de seis semanas focado em projectos de construção.

Contudo, foi apenas no último Inverno que Henry Wang e Chris Curro, estudantes da Cooper Union, mostraram ao mundo o novo conceito de caixa de cartão que inventaram. O vídeo de apresentação tornou-se viral no Youtube e os estudantes tiveram já propostas de fabricantes que pretendem produzir em massa o novo conceito.

“Tentei pensar em produtos com que interagisse todos os dias”, indica Curro. Depois de se deparar com a dificuldade que teve em abrir uma caixa de cartão, o estudante imaginou uma “caixa que se pode abrir apenas com as mãos”, sem necessidade de tesouras, facas, chaves ou outros objectos cortantes.

A prototipagem rápida foi um dos módulos do curso intensivo e foi também o factor de sucesso para o conceito de caixa destes dois estudantes. Esta técnica permitiu aos dois estudantes conceberem o modelo, cortarem um protótipo e perceberem as falas do projecto e refazer o conceito do objecto, refere o Treehugger.

No final, o resultado foi uma caixa que utiliza menos 15% a 20% de cartão, uma vez que o novo conceito elimina as abas sobrepostas que são dobradas na parte superior e inferior das caixas convencionais. Também não é necessária fita adesiva, uma vez que esta caixa necessita de pouca cola e já vem incorporada no molde.

Publicado em InovaçãoComments (0)

UE torna obrigatórios relatórios de sustentabilidade para grandes empresas


A União Europeia (UE) aprovou ontem uma lei que obriga as grandes empresas a reportarem os seus resultados ligados à responsabilidade social e ambiental, incluindo-os nos seus relatórios financeiros anuais.

A nova lei – que recebeu 599 votos a favor e 55 contra, no Parlamento Europeu – aplica-se a empresas de capital aberto com mais de 500 colaboradores. Agora, elas terão de identificar, no seu relatório anual, as “políticas, riscos e resultados” em relação a temas como “impacto social, ambiental e de direitos humanos, diversidade e políticas anti-corrupção”.

Hoje, cerca de 2.500 empresas produzem, voluntariamente, relatórios de sustentabilidade. Com a nova lei, cerca de 7.000 empresas serão obrigadas a fazê-lo a partir de 2017, data em aquela entra em vigor.

As empresas serão ainda encorajadas a utilizar quadros uniformes e reconhecidos, como o GRI (Global Reporting Initiative).

Vários deputados europeus consideraram este dia “histórico” para a sustentabilidade na Europa, prevendo que as empresas terão de começar a aplicar medidas verdadeiramente sustentáveis e, com isso, deixarão de poder socorrer-se do “greenwash”.

A nova lei foi proposta pela primeira vez em 1999 pelo britânico Richard Howitt. “É um grande passo para os relatórios integrados em todas as empresas mundiais”, explicou Howitt. “Todas as provas nos dizem que a transparência é a melhor forma de mudarmos o comportamento de negócio. Esta lei europeia irá evitar escândalos corporativos e dará um salto na transição para uma economia sustentável”, continuou.

Em 2011, 95% das 250 maiores empresas do mundo produzem realtórios de sustentabilidade anuais – um crescimento de 15% em relação a 2008, de acordo com a consultora KPMG.

Foto:  kevin dooley / Creative Commons

Publicado em Política, PortugalComments (0)

Rama Llama: o primeiro saco-cama sustentável (Com FOTOS)


O ateliê de design Deneb Outdoors criou um saco-cama de alta performance, feito de lã de lama, naquele que será, segundo a empresa, o primeiro saco-cama sustentável do mundo – e hipoalergénico.

Devido à construção oca das fibras do lama, estas actuam como uma palha que puxa a água para fora do corpo e deixa a pele seca e quente, de acordo com o inhabitat.

Esta tecnologia também regula a temperatura corporal dentro de uma faixa de conforto de 50 graus, por isso não interessa se está frio ou quente lá fora, quem usa este saco-cama estará sempre confortável.

Segundo os designers, os lamas são sustentavelmente tosquiados, nos Andes, há 4.000 anos, por isso este produto não desestabilizará estes animais.

O financiamento do projecto está a ser assegurado pelo Kickstarter – os seus inventores já arrecadaram um terço do necessário. Veja aqui.

Foto:   kteague / Creative Commons

Publicado em FashionComments (0)

Autocarro eléctrico bate recorde ao viajar 325 quilómetros com apenas um carregamento


Um autocarro eléctrico bateu recentemente o recorde da viagem mais longa com uma única recarga, ao percorrer mais de 325 quilómetros na sua rota urbana. O autocarro, da construtora chinesa BYD, pertence à frota de autocarros públicos de Copenhaga.

O anterior recorde para uma única recarga de autocarro eléctrico era de 250 quilómetros. No final da viagem de 325 quilómetros, o novo recordista ainda possuía 8% de bateria, refere o Inhabitat.

Um outro autocarro eléctrico, operado pela Arriva, também em Copenhaga, conseguiu completar um dia de circulação, o que equivale a 150 quilómetros, com a bateria totalmente carregada e com o aquecimento ligado ininterruptamente. Posteriormente, este veículo percorreu ainda 90 quilómetros numa auto-estrada, terminando o percurso também com 8% de bateria. No total, este segundo autocarro percorreu 240 quilómetros com uma única carga.

Estes dados vêm confirmar que os veículos eléctricos são uma alternativa eficiente e testada aos modelos a diesel. A electricidade é mais barata que este combustível fóssil, o que se traduz em custos operacionais menores. Contudo, estes veículos possuem a mesma eficiência de transporte com a vantagem de uma redução da emissão de gases com efeito estufa.

Publicado em Veículos EléctricosComments (0)

Primeiro andar da Torre Eiffel vai ser transformado num espaço sustentável (com FOTOS)


O projecto para renovar o primeiro andar do monumento mais conhecido de Paris começou em 2012 e deverá estar completado no final deste ano. A cargo do atelier Moatti-Rivière, o projecto de renovação do primeiro andar da Torre Eiffel pretende transformar o espaço num local de entretenimento e aprendizagem. Com um design contemporâneo, a transformação vai contemplar ainda a introdução de vários sistemas sustentáveis.

A instalação dos vários sistemas solares, hidráulicos e eólicos vão permitir reutilizar os recursos naturais e diminuir a pegada ecológica do espaço. Assim, vão ser instalados painéis solares que vão permitir fornecer energia e a iluminação será com lâmpadas LED. Vão ser também instalados quatro moinhos de vento com eixos verticais que vão alimentar uma turbina de água potável e vai ser utilizado um sistema de escoamento para recolher água das chuvas.

Com um orçamento de €24,9 milhões, o projecto prevê a demolição e reconstrução de partes do primeiro andar e dos pavilhões Ferrié, que acolhem o átrio de boas-vindas, lojas e um restaurante. Depois de estar completado, a principal área de recepção em frente aos elevadores vai ser também renovada e ampliada, com a adição de salas de conferência, um anfiteatro multiusos e percurso museográfico ao ar livre, refere o Inhabitat.

O chão do primeiro andar será em vidro e vão ser instaladas varandas, para que a vista a 57 metros do chão possa ser facilmente comtemplada. Igualmente importante como o projecto de renovação são as novas facilidades de acesso que vão ser implementadas, o que vai permitir a pessoas com dificuldades de locomoção visitar o primeiro andar.

Publicado em EdifíciosComments (0)

Casa mais sustentável do Reino Unido vai ser destruída (com FOTOS)


Matthew Lepley e Jules Smith, um casal britânico, levaram cinco anos a construir casa mais verde do Reino Unido e agora vão ser obrigados a destruí-la. O casal não pediu licença para construir a casa e recusa-se a pedir, já que, de acordo com as suas convicções morais, o processo requer muito papel e energia, o que desafia os seus princípios ecológicos.

O casal mudou-se do apartamento que possuía em Londres, em 2009 para Devon, à procura de uma vida mais sustentável. Durante o tempo em que construíram a casa, Matthew e Jules viveram em tendas. Como forma de sustento, viveram da agricultura. A habitação foi construída com a força muscular do casal e a maioria dos materiais foi reaproveitada. A casa não tem electricidade, água canalizada e a casa de banho funciona através de um sistema de compostagem.

“Queríamos construir uma casa que nos permitisse viver em comunhão com a natureza. Utilizámos materiais reciclados, um machado para cortar a madeira e ferramentas manuais para montar a estrutura”, conta Matthew Lepley. “O processo de construção foi um pouco lento mas muito gratificante. Queríamos reduzir as emissões de carbono o mais possível. Os planos para a casa foram mudando ao longo dos anos, de acordo com as nossas necessidades. O calor provém de uma salamandra que aquece a água para o banho. Não temos electricidade mas utilizamos candeeiros de parafina e velas. Esta vida não é para todos, mas nos adoramos.

Na sequência da recusa do casal em obter a licença, as autoridades municipais notificou-os para que “removessem” a casa. “Tomámos a decisão de construir a casa sem permissão porque o procedimento da autarquia não é amigo do ambiente e vai contra os nossos valores pessoais”, explica Lepley.

Inicialmente, os vizinhos apoiaram o estilo de vida do casal, mas quando descobriram que a intenção era transformar o local numa espécie de retiro, com workshops em engenharia verde e permacultura, muitos dos habitantes posicionaram-se contra e lançaram mesmo uma petição para que fossem expulsos.

Matthew e Jules já recorreram da decisão da autarquia para a destruição da casa e aguardam agora a decisão de um segundo recurso.

Publicado em CasasComments (0)

Recomendações

Blogroll