Dados do Relatório do Estado do Ambiente (REA) mostram que está a aumentar a quantidade de lixo que cada português produz diariamente. De um mínimo de 1,2kg cidadão/dia em 2013, este valor atingiu os 1,32kg cidadão/dia em 2017. Ou seja, cada um de nós produz 483kg de lixo por ano. Este valor está acima da média da União Europeia, que se cifra nos 480kg/ano por cidadão.

Em 2017, produziram-se 4,75 milhões de toneladas de lixo em Portugal continental. Este aumento relativamente a anos anteriores deve-se, segundo o portal do Relatório do Estado do Ambiente, à melhoria da situação económica do país.

Em declarações ao ECO, Susana Fonseca, da associação ZERO, diz que este números mostram que ainda há um longo caminho a seguir e que “com a retoma económica verificou-se uma alteração da tendência que se tinha atingido durante os anos de crise. Tal demonstra que uma parte da redução da produção de resíduos se ficou a dever a fatores conjunturais (menor poder de compra) e não a fatores estruturais (alterações na forma de produzir e consumir)”.

O que tudo isto significa é que, em Portugal, os resíduos não estão a chegar ao destino correto. O REA indica que há um ligeiro aumento na deposição direta em aterro, o que demonstra uma tendência contrária à estratégia da União Europeia e nacional para os resíduos urbanos. Os esforços feitos não têm tido reflexo no comportamento da população, e tendo em conta as metas ambiciosas definidas para reutilização e reciclagem, será difícil atingir os valores definidos para 2020.