Empresas estão cada vez mais empenhadas em atingir a neutralidade carbónica



As empresas de todos os setores estão a ganhar mais consciência ambiental e a adotar compromissos para atingir a neutralidade carbónica. O recente relatório da Boston Consulting Group (BCG) em colaboração com o World Economic Forum, revela que esta atitude traz benefícios para as entidades, não só em termos dos trabalhadores que atraem, dado que muitas pessoas já dão prioridade à sustentabilidade, mas também em termos de negócio, visto que as empresas com alternativas verdes crescem até mais 25p.p. do que as que oferecem produtos tradicionais.

Mais de 2 mil empresas do mundo inteiro já estabelecerem objetivos validados pela iniciativa Science Based Targets (SBTi), o que comparativamente às 116 registadas em 2015, corresponde a um crescimento de 65% por ano. Uma das maiores razões para o progresso que tem sido alcançado nos últimos anos é a competitividade, desencadeada por uma única empresa que avança à frente do seu setor. Ao elevarem a fasquia na sua indústria, criam uma disrupção nos modelos de negócio e forçam o mercado a segui-los.

Por outro lado, o documento sugere ainda que é possível que as empresas reduzam 30% das emissões exigidas sem custos líquidos para o seu negócio. Algumas organizações conseguem até descarbonizar quase totalmente sem estes custos – uma média de 50% de redução de emissões sem custos líquidos em setores-chave. Existe ainda uma redução da exposição ao risco, com uma melhoria entre 2 a 12p.p. na margem de EBIT, devido à redução da obrigação fiscal de carbono, e um acesso a financiamento mais acessível, através da redução do custo médio de capital de 100bp para os líderes em sustentabilidade. Estas organizações têm também um retorno aos seus acionistas em média 3p.p. superior às restantes.

“A liderança pelo setor privado é fundamental para acelerar a ação climática em conjunto com medidas arrojadas tomadas pelos líderes governamentais. Estamos a assistir a um novo impulso. A COP26 colocou as questões climáticas no centro das atenções a nível mundial, com compromissos significativos a serem assumidos. Na agenda de Davos 2022, esperamos que os líderes empresariais continuem a aumentar os seus compromissos, reconheçam os riscos climáticos emergentes como fundamentais para a sua atividade e traduzam os compromissos em transformação do negócio e em investimentos empresariais a curto prazo”, afirma Antonia Gawel, responsável pela Plataforma pela Ação Climática do World Economic Forum.



Notícias relacionadas

Comentários estão fechados.