3.000 andorinhas-do-mar abandonaram mais de dois mil ovos depois de um drone cair junto aos ninhos

Aproximadamente 3.000 andorinhas-do-mar da Reserva Ecológica Bolsa Chica em Huntington Beach, Califórnia, EUA, fugiram no passado sábado, deixando para trás mais de 2.000 ovos inviáveis. De acordo com o Departamento de Pesca e Vida Selvagem da Califórnia, as aves foram espantadas depois que um drone ilegal atingiu a sua área de nidificação.

O abandono é o maior já testemunhado por cientistas que trabalham na reserva. Melissa Loebl, uma cientista ambiental que administra a reserva de Huntington Beach, disse: “Nunca vimos tamanha devastação aqui.”, relatou ao LA Times.

Embora a queda do drone tenha sido o ponto de partida para o abandono, na verdade foi causado por uma série de problemas. Um fator que tem sido um grande problema para a vida selvagem local é o aumento do tráfego humano.

Devido à pandemia COVID-19, muitas pessoas em busca de atividades ao ar livre passam pela área da reserva. Loebl explicou que houve um aumento no número de ciclistas que se desviam das trilhas designadas e acabam por perturbar a vida selvagem. A cientista alertou que as pessoas também trazem cães para áreas de vida selvagem, o que pode ser alarmante para a maioria dos animais.

De acordo com Nick Molsberry do Departamento de Pesca e Vida Selvagem da Califórnia, os drones não são permitidos nas reservas estaduais de vida selvagem devido ao risco de causar distúrbios. Qualquer pessoa encontrada a operar um drone em áreas de conservação pode enfrentar multas avultadas.

A maior preocupação entre os cientistas é que andorinhas têm áreas limitadas de nidificação. A Reserva Ecológica Bolsa Chica é a maior área húmida costeira remanescente no sul da Califórnia. Cerca de 95% dos habitats no sul da Califórnia foram destruídos, deixando muitas espécies, como as andorinhas-do-mar, com poucas áreas de nidificação seguras.

De acordo com Loebl, cerca de 800 espécies dependem da terra na reserva. Para os pássaros nidificarem no parque, é necessário muito trabalho nos preparativos. Os voluntários passam meses a preparar ilhas feitas pelo homem para que os pássaros possam fazer ninhos.

As andorinhas-do-mar, agora desaparecidas, chegaram em abril. Embora as andorinhas-do-mar geralmente permaneçam até agosto, elas foram interrompidas cedo, deixando ovos sem vida.

“Nós preocupamo-nos com as aves porque há poucos locais de nidificação, não tanto por causa dos seus números”, disse Michael Horn, professor emérito de biologia da Cal State Fullerton. “Então este é o motivo pelo qual, se um local-ninho não produz ou falha, isso é preocupante.”

Notícias relacionadas

Comentários estão fechados.