A Ásia Central está cada vez mais a transformar-se num deserto



A Ásia Central está, cada vez mais, a transformar-se num deserto, devido às alterações climáticas. É o que indica um estudo publicado na revista científica Geophysical Research Letters, que desenvolveu uma avaliação climática na região, focando-se em países como o Cazaquistão, Quirguistão, Uzbequistão, Turcomenistão, Tajiquistão, mas também na parte norte da China.

Os investigadores analisaram os tipos de clima de acordo com várias variantes, nomeadamente a temperatura, a precipitação e a sua sazonalidade, distinguindo-os pelos modelos BS ; BW, Cf, Do, Dc, Ft e Fi. O período de avaliação foi entre 1960 e 2020.

Desde 1980 até hoje, foi possível observar uma expansão do clima desértico para norte em mais de 100 km, e um sucessivo aumentar das temperaturas em todos os climas. Na zonas montanhosas, por exemplo, começou a existir um clima mais quente e húmido, passando de um clima frio para um clima boreal. As mudanças nos tipos de clima começaram a alternar-se de forma mais considerável a partir de 1990, segundo relatam. Em algumas localidades, entre 1990 e 2020, a temperatura média anual aumentou no mínimo 5°C, comparativamente ao período de tempo entre 1960 e 1979.

Esta situação começa a alterar a flora e fauna e o funcionamento dos ecossistemas de cada uma destas regiões, podendo inclusive provocar a degradação dos solos e afetar a sua produtividade. Como acrescenta o autor Jeffrey Dukes, na revista Nature, “Isto terá consequências para coisas como os animais de pasto, que dependem da estepe ou das pastagens”.



Notícias relacionadas

Comentários estão fechados.