Após os fogos que assolaram o país de Junho a Outubro do ano passado, o Centro Ciência Viva da Floresta e o Geoparque Naturtejo, em parceria com o Município de Proença-a-Nova, lançam, nas Grutas da Moeda, uma exposição sobre a Floresta autóctone intitulada “A Floresta que nos une”.

“A Floresta que nos Une” é a exposição que as Grutas da Moeda recebem a partir de 1 de Julho e que poderá ser visitada gratuitamente no átrio de entrada durante o horário de funcionamento das grutas. Da autoria do Centro Ciência Viva da Floresta e do Geoparque Naturtejo, a mostra pretende sensibilizar cada visitante para a Riqueza, Diversidade e Fragilidade da Floresta.

A “Floresta que nos une” traz um pouco do que se pode experienciar no Centro Ciência Viva da Floresta, privilegiadamente um local onde é possível tocar, experimentar, descobrir, imaginar e aprender. Localizado em Proença-a-Nova, concelho que tem 80% da sua área ocupada por floresta, o Centro – cujo edifício tem a forma circular, recordando o corte transversal de uma árvore – apresenta módulos exteriores e permanentes que permitem conhecer melhor a ciência que existe na floresta.

De forma dinâmica e interactiva, é possível viajar ao longo dos anéis de crescimento de uma árvore, sentir os aromas da floresta, conhecer a fauna e a flora, as teias tróficas, quem serve de alimento a quem, que árvores são mais resistentes aos incêndios e muito mais.

Foto: via Creative Commons