A Guerra na Ucrânia e na Energia



Por: José Guedes, Administrador e Fundador da Energest

Com a sombra da guerra a pairar sobre a Europa, muito se tem debatido sobre a dependência energética dos países que compõem a União Europeia.

Pelo que se observa no debate cá do burgo, onde a dependência energética podendo ser nula relativamente ao Gás Natural da Rússia, ainda é, contudo, superior a 76%, continua a debater-se o problema, mas não a solução, ainda sob o efeito da vacina “verde” que nos foi inoculada durante a Guerra Fria. Ao que parece, fazendo parte de uma inteligente estratégia, permitiu a um dos blocos em guerra conseguir criar um mecanismo de bloqueio ao desenvolvimento tecnológico do seu antagonista mais próximo, a Europa Ocidental.

Na verdade, embora, sendo por natureza, avesso às teorias da conspiração, acredito ter sido essa estratégia que esteve na origem dos partidos “verdes”, a quem por razões óbvias alguém chamou de “partidos melancia”, que foram ocupando espaço político nos países democráticos sob a bandeira da defesa do ambiente, um objetivo político que se torna praticamente impossível de combater, e se tornou, por isso, um movimento que conseguiu atrair gente de todos os quadrantes de pensamento e formação, fazendo-nos acreditar que instalar um reator nuclear em Portugal era um horrível e perigoso crime ambiental, mas quinze reatores na Ucrânia, por exemplo, era algo excelente.

Daí resultou que a Rússia é há quase 50 anos o maior exportador de Gás Natural do mundo, e tem dependente a Alemanha, a maior economia da Europa, onde o Gás Natural se foi tornando imprescindível, desde a atividade empresarial até à preparação dos alimentos, o aquecimento das casas e a iluminação pública.

E então qual é a solução?

Combinar as tecnologias de produção de energia renovável, onde de forma leviana se confunde potência instalada com potência disponível, com a produção de energia de origem nuclear, fazendo de resto o que inteligentemente fez a França e pretende fazer a China, quando já em 2015 estabeleceu o objetivo de se tornar a principal potência económica do mundo, e afirmou o óbvio: Que a produção de energia de forma económica e ambientalmente sustentável era peça chave nessa estratégia industrial.

Por isso, 49 reatores nucleares já operavam em 2020, o último destes já projetado localmente, outras 16 unidades estão em construção em todo o país, e o plano parece incluir a médio prazo mais 55 novos reatores, com uma capacidade total próxima dos 60 GW.

Os demais países líderes em tecnologia nuclear, reunidos em parceria no projeto ITER – International Thermonuclear Experimental Reactor, procuram “o caminho” (tradução do latim de iter) para a solução energética e que reside não na fissão do átomo de urânio, mas na fusão do átomo de hidrogénio.  De facto, a fusão nuclear do átomo de hidrogénio não emite CO2, tal como as demais centrais nucleares de fissão, e não apresenta produção de lixo radioativo nem risco de acidentes com as consequências de Chernobyl ou de Fukushima.

Depois, se a fissão de 1 kg de urânio produz 3 milhões de vezes mais energia do que a produzida pela combustão de 1 kg de carvão, a fusão de 1 kg de deutério produz ainda 10 vezes mais energia, isto é, o equivalente à energia produzida pela combustão de cerca de trinta mil toneladas de carvão.

E se alguém perguntar: “Então porque é que durante estes 50 anos não se investiu mais na investigação e no desenvolvimento desta tecnologia?” – A resposta está nos parágrafos anteriores.

Mas se o desenvolvimento da tecnologia está no ponto em que está e nos dizem que o seu custo não é para as nossas bolsas… o que fazer?

Devemos parar para refletir sobre o que não fizemos e o que fizemos mal ou menos bem, e criar as necessárias condições ao desenvolvimento do nosso tecido industrial, começando pelo método mais óbvio: Quando não se tem a solução imediata para um problema, a primeira coisa a fazer é procurar reduzir o tamanho do problema.

Se o problema é a dependência energética e o custo da energia, então a primeira coisa a fazer é adotar medidas para reduzir o consumo de energia. Cabe aos cidadãos e às empresas adequar os hábitos e os procedimentos. Cabe aos governos promover medidas que possam produzir esse efeito à escala nacional. No nosso caso, o PRR – Plano de Recuperação e Resiliência prevê, felizmente, já o apoio a várias medidas de Eficiência Energética e a implementação dessas medidas é, mais do que nunca, de extrema importância no atual contexto.

Para o sucesso do Plano, torna-se, contudo, imperativo que a avaliação dos projetos seja efetuada por equipas com o necessário conhecimento técnico, de forma a evitar que a aprovação seja apenas baseada no cumprimento de um conjunto de indicadores e citérios económicos, em vez de resultar do efectivo mérito técnico dos projetos.

Esta é talvez a última oportunidade que temos para fazer bem.



Notícias relacionadas

Comentários estão fechados.