A Terra tem pulsação com ciclos de 27,5 milhões de anos de atividade geológica

A análise de 260 milhões de anos de grandes eventos geológicos encontrou aglomerados recorrentes com 27,5 milhões de anos de diferença.

A atividade geológica na Terra parece seguir um ciclo de 27,5 milhões de anos, dando ao planeta uma “pulsação”, de acordo com um novo estudo publicado na revista Geoscience Frontiers.

“Muitos geólogos acreditam que os eventos geológicos são aleatórios ao longo do tempo. Mas o nosso estudo fornece evidências estatísticas para um ciclo comum, sugerindo que esses eventos geológicos são correlacionados e não aleatórios”, afirmou Michael Rampino, geólogo e professor do Departamento de Biologia da Universidade de Nova York , bem como o autor principal do estudo.

Nas últimas cinco décadas, os investigadores propuseram ciclos de grandes eventos geológicos – incluindo atividade vulcânica e extinções em massa na terra e no mar – variando de aproximadamente 26 a 36 milhões de anos. Mas os primeiros trabalhos sobre essas correlações no registo geológico foram prejudicados por limitações na datação dos eventos geológicos, o que impediu os cientistas de conduzir investigações quantitativas.

No entanto, houve melhorias significativas nas técnicas de datação radioisotópica e mudanças na escala de tempo geológica, levando a novos dados sobre o tempo de eventos passados. Usando os dados de datação mais recentes disponíveis, Rampino e os seus colegas compilaram registos atualizados dos principais eventos geológicos dos últimos 260 milhões de anos e conduziram novas análises.

A equipa analisou as idades de 89 eventos geológicos importantes e bem datados dos últimos 260 milhões de anos. Esses eventos incluem extinções marinhas e terrestres, grandes derramamentos vulcânicos de lava chamados erupções de basalto de inundação, eventos em que os oceanos ficaram sem oxigénio, flutuações do nível do mar e mudanças ou reorganização nas placas tectónicas da Terra.

Eles descobriram que esses eventos geológicos globais são geralmente agrupados em 10 pontos de tempo diferentes ao longo de 260 milhões de anos, agrupados em picos ou pulsos de aproximadamente 27,5 milhões de anos separados. O mais recente agrupamento de eventos geológicos ocorreu há aproximadamente 7 milhões de anos, sugerindo que o próximo pulso de grande atividade geológica está a mais de 20 milhões de anos no futuro.

Os investigadores postulam que esses pulsos podem ser uma função de ciclos de atividade no interior da Terra – processos geofísicos relacionados à dinâmica das placas tectónicas e do clima. No entanto, ciclos semelhantes na órbita da Terra no espaço também podem estar a acompanhar esses eventos.

“Quaisquer que sejam as origens desses episódios cíclicos, as nossas descobertas apoiam o caso de um registo geológico amplamente periódico, coordenado e intermitentemente catastrófico, que é um afastamento das opiniões defendidas por muitos geólogos”, explicou Rampino.

Notícias relacionadas
Comentários
Loading...