Alguns produtos de cosmética vendidos na Europa ainda são testados em animais, revela estudo

Ao contrário do que os consumidores possam pensar, ainda existem produtos de cosmética à venda na Europa que são testados em animais. Desde 11 de março de 2009 que a União Europeia proibiu a comercialização de produtos cosméticos acabados e ingredientes que foram testados em animais nos países membros. No entanto, o Regulamento (CE) n.o 1907/2006 do Parlamento Europeu e do Conselho relativo ao Registo, Avaliação, Autorização e Restrição de Substâncias Químicas (REACH) pode impor o teste impor o teste in vivo (aos animais) desses mesmos ingredientes de acordo com seus requisitos de testes químicos.

Um novo estudo analisou os dossiers do REACH para produtos químicos em que são realizados testes in vivo, e chegou à conclusão de que 419 produtos são para uso cosmético e dentro desse grupo, 63 testes foram realizados após a proibição. Estes produtos dividem-se em 45 funções diferentes, mas destacam-se os condicionadores de cabelo, tintas de cabelo, cremes hidratantes, protetores solares. Ainda assim, 82 do total utilizou integralmente métodos alternativos, o que indica que é possível encontrar alternativas.

“Os resultados desta análise são motivo de otimismo e preocupação” afirmam os autores. “A revisão dos dossiers de ingredientes exclusivamente cosméticos mostra que os testes in vivo diminuíram drasticamente depois de 2009, quando a proibição inicial dos testes cosméticos entrou em vigor. No entanto, os testes não terminaram nem em 2013, quando a proibição final entrou em vigor”, apontam.
“Os clientes europeus não podem presumir que os produtos que compram não são testados em animais. Mesmo os produtos rotulados como não testados em animais podem conter alguns ingredientes que são”, explica Thomas Hartung, autor do artigo, ao jornal The Guardian.

 

Os investigadores apelam a um maior esforço por parte de todas as partes interessadas para acabar com estes testes, e pedem uma maior transparência para com o público consumidor.

Notícias relacionadas

Comentários estão fechados.