Aquecimento global está a mudar a cor dos girassóis

Segundo um estudo realizado por botânicos das Universidades norte-americanas de Pittsburg, Virgínia e Clemson, estas plantas alteraram nos últimos 75 anos a sua pigmentação por causa do aumento da temperatura e das variações na camada de ozono na atmosfera. Para os investigadores, os girassóis fizeram isto para se proteger dos raios solares.

O estudo analisou 1 238 flores de 42 espécies recolhidas entre 1941 e 2017 na América do Norte, Europa e Austrália. As flores aumentaram, em média, 2% ao ano a quantidade de pigmentos ultravioleta que carregam consigo. Parece um detalhe, mas as transformações podem ter efeitos significativos —como pétalas de cores diferentes. “Isso também tem implicações para a reprodução das plantas, tanto de flores silvestres nativas quanto de espécies de culturas domesticadas que têm padrões florais para o ultravioleta, como os girassóis”, disse Matthew Koski, um dos autores do estudo.

O girassol (Helianthus) é um género de planta que compreende cerca de 70 espécies. Os nomes comuns “girassol” e “girassol comum” normalmente referem-se à espécie popular Helianthus annuus, cujas cabeças de flores redondas e amarelas fazem lembrar o sol.
Esta espécie cresce durante o verão e no início do outono, com o pico da estação de crescimento no meio do verão. As espécies perenes de girassol não são tão comuns no uso do jardim devido à sua tendência a se espalhar rapidamente e se tornar invasoras.

O girassol-de-barriga-preta, Helianthus verticillatus, foi listado como espécie ameaçada de extinção em 2014. O girassol selvagem é nativo da América do Norte, mas a comercialização da planta ocorreu primeiro na Rússia. Só recentemente a planta de girassol voltou à América do Norte em cultivos.

Notícias relacionadas
Comentários
Loading...