Arqueólogo amador descobre o sistema de ‘escrita’ da era do gelo



Um sistema de escrita primitivo utilizado pelos caçadores-coletores da era do gelo parece ter sido descoberto por um arqueólogo amador, que concluiu que as marcações com 20.000 anos eram uma forma de calendário lunar, avança o “The Guardian”.

Segundo a mesma fonte, a investigação sugere que os desenhos das cavernas “não eram apenas uma forma de expressão artística, mas também utilizados para registar informações sofisticadas sobre o calendário dos ciclos reprodutivos dos animais”.

Ben Bacon passou inúmeras horas a tentar descodificar o sistema de “protótipos”, que se crê ser anterior a outros sistemas equivalentes de manutenção de registos em pelo menos 10.000 anos.Ele abordou uma equipa de académicos com a sua teoria e eles encorajaram-no a prossegui-la.

Assim, Bacon colaborou com uma equipa, incluindo dois professores da Universidade de Durham e um do University College London, para publicar um artigo no Cambridge Archaeological Journal.

O Professor Paul Pettitt, arqueólogo da Universidade de Durham, disse que estava “satisfeito por o ter levado a sério” quando Bacon o contactou. “Os resultados mostram que os caçadores-coletores da era do gelo foram os primeiros a utilizar um calendário sistémico e marcas para registar informações sobre grandes eventos ecológicos dentro desse calendário”, sublinhou.

Pinturas rupestres de espécies como renas, peixes e gado agora extinto como os bisontes foram encontradas em toda a Europa. A par destas imagens, foram encontradas sequências de pontos e outras marcas em mais de 600 imagens da idade do gelo em paredes de cavernas e objetos portáteis em toda a Europa. “Há muito que os arqueólogos acreditam que estas marcas tinham significado, mas ninguém as tinha decifrado”, salienta o jornal.

O Bacon propôs-se descodificá-las, acedendo a pesquisas anteriores e imagens de arte rupestre na British Library e procurando padrões recorrentes, dizendo que era “surreal” estar a descobrir o que as pessoas diziam há 20.000 anos.

Ao utilizar os ciclos de nascimento de animais equivalentes atualmente ao ponto de referência, a equipa deduziu que o número de marcas associadas aos animais da idade do gelo era um registo, por mês lunar, de quando eles estavam a acasalar. Eles acreditam que a inclusão de um sinal “Y”, formado pela adição de uma linha divergente a outra, significava “dar à luz”.

Pettitt disse: “Somos capazes de mostrar que estas pessoas – que deixaram um legado de arte espetacular nas cavernas de Lascaux e Altamira – também deixaram um registo de cronometragem precoce que acabaria por se tornar comum entre a nossa espécie”.

“Uma vez que se pensa que as marcas estão a gravar informação numericamente em vez de gravarem a fala, não são consideradas como “escrita” no sentido dos sistemas pictográficos e cuneiformes que surgiram na Suméria a partir de 3.400 a.C., mas são classificadas como um sistema de protoescrita”, explica.

Bacon disse que o trabalho fez com que as pessoas responsáveis pelos desenhos se sentissem “de repente muito mais próximas”. “À medida que nos aproximamos do seu mundo, o que estamos a descobrir é que estes antepassados antigos são muito mais parecidos connosco do que pensávamos anteriormente”, disse ele.

As descobertas encorajaram a equipa a realizar mais investigação sobre o significado de outras marcações encontradas nos desenhos das cavernas.

“O que esperamos, e o trabalho inicial é prometedor, é que o desbloqueio de mais partes do sistema de protótipos nos permita compreender qual a informação que os nossos antepassados valorizavam”, disse Bacon.



Notícias relacionadas

loading...

Comentários estão fechados.