Há dois milhões de anos o Australopithecus sediba caminhava como um humano, mas escalava como um macaco



Novos fósseis na parte inferior das costas são o “elo perdido” que resolve um debate de décadas provando que os primeiros hominídeos usavam os seus membros superiores para escalar como macacos e os seus membros inferiores para andar como humanos.

Uma equipa internacional de cientistas da Universidade de Nova Iorque, da Universidade de Witwatersrand e de 15 outras instituições anunciaram, na revista e-Life, a descoberta de vértebras fósseis com dois milhões de anos de uma espécie extinta de antigos parentes humanos.

A recuperação de novas vértebras lombares da parte inferior das costas de um único indivíduo do parente humano, Australopithecus sediba, e porções de outras vértebras da mesma fêmea de Malapa, África do Sul, juntamente com vértebras previamente descobertas, formam uma das vértebras inferiores mais completas de costas já descobertas no registo dos primeiros hominídeos e dão uma ideia de como esse antigo parente humano caminhou e escalou.

Os fósseis foram descobertos em 2015 durante as escavações de um trilho ao lado do local de Malapa, a noroeste de Joanesburgo, na África do Sul.

Malapa é o local onde, em 2008, o professor Lee Berger da Universidade de Witwatersrand e o seu filho, então com nove anos, Matthew, descobriram os primeiros restos do que seria uma nova espécie de um antigo parente humano chamado Australopithecus sediba.

Os fósseis do local foram datados como tendo aproximadamente dois milhões de anos. As vértebras descritas no presente estudo foram recuperadas numa rocha.

Em vez de arriscar danificar os fósseis, estes foram preparados virtualmente após um scan na Universidade de Witwatersrand, eliminando assim o risco de danificar os ossos delicados posicionados de perto durante a preparação manual. Depois de preparadas virtualmente, as vértebras foram reunidas com fósseis recuperados durante trabalhos anteriores no local e articulam-se perfeitamente com a coluna vertebral do esqueleto fóssil, parte dos espécimes originais do Australopithecus sediba descritos pela primeira vez em 2010.

O número de catálogo do esqueleto é MH 2, mas os cientistas apelidaram o esqueleto feminino de “Issa”, que significa protetor em suaíli. A descoberta também estabeleceu que, como os humanos, o sediba tinha apenas cinco vértebras lombares.

“A região lombar é crítica para a compreensão da natureza do bipedalismo nos nossos primeiros ancestrais e para a compreensão de como estavam bem adaptados para andar sobre duas pernas”, disse o professor Scott Williams da Universidade de Nova Iorque e principal autor do artigo. “As séries associadas de vértebras lombares são extraordinariamente raras no registo fóssil de hominídeos, com apenas três espinhas inferiores comparáveis ​​sendo conhecidas de todo o registo africano inicial”.

A descoberta dos novos espécimes significa que Issa agora torna-se um dos dois primeiros esqueletos de hominídeos a preservar tanto a parte inferior da coluna quanto a dentição do mesmo indivíduo, permitindo a certeza de a qual espécie a coluna pertence.

“Embora Issa já fosse um dos esqueletos mais completos de um hominídeo antigo já descoberto, essas vértebras praticamente completam a parte inferior das costas e fazem da região lombar de Issa uma contendora não apenas para a região lombar hominínea mais bem preservada já descoberta, mas também provavelmente a melhor preservado ”, afirma Berger, que é autor do estudo e líder do projeto Malapa.

O cientista acrescenta que essa combinação de integridade e preservação deu à equipa um olhar sem precedentes sobre a anatomia da parte inferior das costas da espécie.

Estudos anteriores da coluna inferior incompleta por autores não envolvidos no presente estudo levantaram a hipótese de que sediba teria uma coluna relativamente reta, sem a curvatura ou lordose, tipicamente observada em humanos modernos. Levantaram ainda a hipótese de que a coluna vertebral de Issa era mais parecida com a das espécies extintas de Neandertais e outras espécies mais primitivas de hominídeos antigos com mais de dois milhões de anos.

No entanto, com a coluna mais completa e excelente preservação dos fósseis, o presente estudo descobriu que a lordose de sediba era de facto mais extrema do que qualquer outro australopitecíneo já descoberto, e a quantidade de curvatura da coluna observada só foi excedida pelo observado na coluna do menino Turkana de 1,6 milhão de anos (Homo erectus) do Quénia e alguns humanos modernos.

“Embora a presença de lordose e outras características da coluna representem adaptações claras para andar sobre duas pernas, há outras características, como os processos transversos grandes e orientados para cima, que sugerem uma poderosa musculatura do tronco, talvez para comportamentos arbóreos”, conclui Gabrielle Russo da Stony Brook University e autora do estudo.

Fortes espinhos transversais orientados para cima são um indicativo de músculos do tronco poderosos, como observado em macacos.

Estudos anteriores desta espécie antiga destacaram as adaptações mistas em todo o esqueleto em sediba que indicaram a sua natureza de transição entre caminhar como um humano e adaptações de escalada. Isso inclui características estudadas nos membros superiores, pelve e membros inferiores.

O estudo conclui que sediba é uma forma de transição de um antigo parente humano e a sua coluna é claramente intermediária em forma entre as dos humanos modernos (e neandertais) e os grandes macacos.

“Issa caminhava como um humano, mas podia escalar como um macaco”, afirma Berger.



Notícias relacionadas

Comentários estão fechados.