Aves marinhas aumentam a resistência dos recifes de coral



Os recifes de coral tropicais estão entre os nossos ecossistemas mais atrativos, mas o rápido aquecimento do planeta ameaça a sobrevivência futura de muitos deles.

No entanto, pode haver esperança para alguns recifes tropicais através das aves.

Um novo estudo conduzido por investigadores da Universidade de Lancaster descobriu que a presença de aves marinhas em ilhas adjacentes a recifes de coral tropicais pode aumentar as taxas de crescimento dos corais nesses recifes em mais do dobro.

E como resultado deste crescimento mais rápido, os recifes de coral perto de colónias de aves marinhas podem recuperar muito mais rapidamente de eventos de branqueamento – que muitas vezes causam a morte em massa de corais quando os mares ficam demasiado quentes – a equipa internacional de investigadores também descobriu.

O estudo, publicado na revista Science Advances, centrou-se no Acropora, um tipo importante de coral que fornece estruturas complexas de apoio às populações de peixes e ao crescimento dos recifes, e que também é importante para proteger as zonas costeiras das ondas e das tempestades.

Os investigadores descobriram que o Acropora em torno de ilhas com aves marinhas recuperava de eventos de branqueamento cerca de 10 meses mais depressa (aproximadamente três anos e oito meses) em comparação com recifes localizados longe de colónias de aves marinhas (4 anos e seis meses).

Os investigadores afirmam que estes tempos de recuperação mais curtos podem ser a diferença entre continuar a recuperar alguns recifes face a um planeta em aquecimento, onde os eventos de branqueamento prejudiciais ocorrem agora com muito mais frequência do que nas décadas anteriores.

Chave está nos dejetos

A chave para a forma como as aves marinhas podem ajudar os recifes de coral tropicais a crescer e a recuperar mais rapidamente é através dos seus dejetos. As aves marinhas alimentam-se de peixe no oceano aberto, longe das ilhas, e depois regressam às ilhas para se empoleirarem – depositando nutrientes ricos em azoto e fósforo na ilha sob a forma de guano. Parte do guano é arrastado das ilhas pela chuva para os mares circundantes, onde os nutrientes fertilizam os corais e outras espécies marinhas.

“Os nossos resultados mostram claramente que os nutrientes derivados das aves marinhas estão a conduzir diretamente a taxas de crescimento mais rápidas dos corais e a taxas de recuperação mais rápidas do coral Acropora”, Casey Benkwitt, investigador em ecologia de recifes de coral na Universidade de Lancaster e principal autor do estudo.

“Esta recuperação mais rápida pode ser crítica, uma vez que o tempo médio entre eventos de branqueamento sucessivos foi de 5,9 anos em 2016 – uma redução em relação aos 27 anos da década de 1980. Mesmo pequenas reduções nos tempos de recuperação durante esta janela podem ser fundamentais para manter a cobertura de coral a curto prazo”, acrescentou.

O estudo dos investigadores incidiu sobre um arquipélago remoto no Oceano Índico. Eles compararam os recifes próximos de ilhas com populações prósperas de aves marinhas com os recifes próximos de ilhas com poucas aves marinhas.

As ilhas com poucas aves têm populações de ratos, uma espécie invasora muito prejudicial que é devastadora para a avifauna, uma vez que come ovos e crias. Não é por acaso que as ilhas com populações de aves prósperas estão livres de ratos.

Os recifes na área de estudo sofreram um extenso branqueamento e mortalidade de corais após ondas de calor marinhas em 2015-16, proporcionando uma oportunidade para observar e comparar a forma como os corais em diferentes recifes recuperaram.

Os investigadores fizeram um levantamento dos locais desde um ano antes do evento de branqueamento até seis anos após o branqueamento, e modelaram a recuperação de Acropora para os anos entre os levantamentos.

A equipa de investigação recolheu amostras de valores de isótopos estáveis de azoto, um marcador fiável de nutrientes derivados de aves marinhas, e mediu as taxas de crescimento dos corais Acropora durante três anos.

Solução natural para ajudar a aumentar a resistência dos recifes de coral

Os resultados mostraram que os nutrientes derivados de aves marinhas absorvidos pelos corais junto a ilhas de aves aumentaram as taxas de crescimento dos corais – com a taxa a duplicar por cada unidade de aumento de nutrientes das aves marinhas.

Em contrapartida, os corais próximos de ilhas infestadas de ratos apresentavam valores de nutrientes semelhantes aos dos corais que se encontravam afastados das ilhas – o que mostra que o fornecimento destes nutrientes tinha sido praticamente cortado pela falta de aves.

Os cientistas também empreenderam uma abordagem experimental para descobrir se o crescimento mais rápido se devia diretamente aos nutrientes e não a outros fatores, como as diferenças genéticas dos corais entre as diferentes ilhas. Transplantaram alguns corais Acropora entre ilhas com e sem ratos.

Esta experiência confirmou que foi a presença de aves marinhas que causou o enriquecimento de nutrientes.

Ao nível da ilha, as colónias de corais transplantadas para ilhas com aves marinhas cresceram duas vezes mais depressa do que as transplantadas para ilhas infestadas de ratos. Verificou-se também que as colónias de corais naturais cresciam mais rapidamente perto de ilhas sem ratos, com uma taxa de crescimento estimada em 2,4 vezes mais rápida do que a dos corais em torno de ilhas infestadas de ratos.

Benkwitt afirmou: “Conseguimos mostrar uma ligação clara entre a presença de aves marinhas e o crescimento mais rápido dos corais. Isto é realmente excitante e encorajador, pois existe uma solução natural para ajudar a aumentar a resistência dos recifes de coral face a um planeta em aquecimento”.

“Ao restabelecer as populações de aves marinhas, os corais podem rapidamente absorver e beneficiar do fornecimento de novos nutrientes, e a nossa experiência de três anos mostra que estes benefícios não são apenas um curto impulso – podem ser sustentados a longo prazo”, sublinhou.

Os investigadores afirmam que as suas descobertas reforçam o crescente conjunto de provas que demonstram os danos ecológicos nos ecossistemas terrestres e marinhos causados pelas ratazanas invasoras nas ilhas tropicais.

O Professor Nick Graham da Universidade de Lancaster e investigador principal do estudo afirmou: “Combinados, estes resultados sugerem que a erradicação dos ratos e o restabelecimento das populações de aves marinhas podem desempenhar um papel importante no restabelecimento dos fluxos naturais de nutrientes das aves marinhas para o ambiente marinho próximo da costa, reforçando a rápida recuperação dos recifes de coral, que será fundamental à medida que se preveem perturbações climáticas mais frequentes”.

Os benefícios ambientais dos nutrientes das aves marinhas vão para além do aumento das taxas de recuperação dos corais. “As taxas de crescimento dos peixes nos recifes adjacentes a ilhas com grandes colónias de aves marinhas são também mais rápidas e a biomassa global de peixes é 50% superior à dos recifes adjacentes a ilhas com ratos”, afirmou Shaun Wilson, coautor do estudo do Instituto Australiano de Ciências Marinhas. “Consequentemente, as taxas de pastoreio e de bioerosão pelos peixes são três vezes mais rápidas nas ilhas com aves marinhas, que são processos-chave que ajudam a manter um recife saudável”, concluiu.

 





Notícias relacionadas



Comentários
Loading...
viagra before and after photos what to expect when husband takes viagra