com o apoio
em modo Escuro poderá poupar até 30% de energia. Saiba mais

BlackRock regista o seu primeiro fundo de economia circular em Portugal

 A BlackRock acaba de lançar em Portugal um fundo que tem como objetivo impulsionar o investimento em empresas com uma exposição significativa ao tema da Economia Circular, o BGF Circular Economy Fund.

O Fundo investe em ações de empresas que beneficiam da Economia Circular e que contribuem para o avanço da mesma, excluindo investimentos no sector do carvão e em produtores de petróleo e gás. A ideia é promover um sistema económico sustentável, alternativo ao modelo económico tradicional.

O BGF Circular Economy Fund abrange três categorias de empresas:

Pioneiras – Empresas que estão a adotar os princípios da Economia Circular nas suas operações comerciais – por exemplo, concebendo produtos facilmente reparáveis, ou utilizando mais materiais reciclados -, ou que já adotaram estratégias significativas, tal como as que estão no bom caminho para fazê-lo no futuro;

Viabilizadoras – Empresas que fornecem soluções inovadoras que permitem a outras tornarem-se circulares – por exemplo, oferecendo plataformas de partilha ou revenda, ou tecnologias inovadoras de triagem e reciclagem;

Beneficiárias – Empresas que beneficiam da transição para uma Economia Circular –  empresas que futuramente registarão um aumento da procura dos seus produtos, resultante do menor uso de certos plásticos de difícil reciclagem.

“A Economia Circular é uma oportunidade transformacional, que quebra a forma linear e tradicional de fazer as coisas. Neste momento já estamos a observar provas desta transição que está a alterar tanto as práticas tradicionais das empresas como os comportamentos dos consumidores. Estamos concentrados em identificar temas de crescimento estrutural e a Economia Circular é uma oportunidade ideal, dado que a mudança ainda se encontra numa fase embrionária. É importante notar que é impulsionada por megatendências globais, como o combate às alterações climáticas, a escassez de recursos, a rutura tecnológica e a rápida urbanização”, clarifica Evy Hambro, Global Head of Thematic and Sector Investing at BlackRock.

Notícias relacionadas
Comentários
Loading...