Caroços de azeitona transformados em plástico biodegradável

A Cooperativa Olivarera de Los Pedroches (Olipe) e o Instituto Tecnológico do Plástico de Valência (Aimplas), em Espanha, desenvolveram um projeto que permite estender a vida útil do caroço de azeitona transformando-o num material plástico biodegradável com múltiplas aplicações futuras.

É o “Oliplast”, um bioplástico altamente resistente e ecológico que permite gerar um produto final “de alta qualidade e surpreendente pela sua resistência” em todas as utilizações em que foi testado.

Como explicou à Efe o presidente da Olipe, Juan Antonio Caballero, junto com a Aimplas embarcaram no projeto de pesquisa e desenvolvimento Gooliva que buscava “valorizar um subproduto do lagar como o caroço de azeitona”, que hoje é “aproveitado como biocombustível ”, mas que “resistimos mesmo sendo o seu único uso ”.

Caballero destaca que qualquer valor acrescentado que possa ser obtido com os subprodutos do olival “é bom porque irá sempre contribuir para a economia dos agricultores”, um dos seus objetivos finais como cooperativa. É o que ele chama de “bioeconomia esférica”, em que planos como economia, educação ou saúde se sobrepõem e que serve também para “fixar a população ao território”.

Num primeiro momento, existe um “processo prévio com o caroço da azeitona à saída do lagar”, que é aproveitado para a biomassa, para a qual deve ser efetuado um “processo de limpeza e secagem” para eliminar as “películas e restos de polpa” até ter entre 2,5 e 4 milímetros de tamanho para ser pulverizado.

“E aí talvez esteja a maior dificuldade do processo”, afirma Caballero, já que o caroço da azeitona é um material “muito duro” e tem sido necessário utilizar “maquinaria especial para moer”, que tem sido a principal “desvantagem” dentro do projeto.

Uma vez moído, obtém-se um material com o tamanho de “cerca de 50 mícrons”, ou seja, “muito pequeno” que é levado a um processo de fabricação de um material plástico onde são utilizados “isómeros plastificantes” biodegradáveis ​​e que podem ser utilizados em “diferentes aplicações”.

Quando for verificado que o projeto é “viável” e que o material “desejado” é alcançado, a segunda parte é fazer uso desse novo material. “Num primeiro momento estamos a fazer utensílios de cozinha e outros tipos de utensílios que podem substituir o que já temos como tampas de potes”, embora um dos objetivos seja fazer uma garrafa de azeite a partir do próprio caroço de azeitona.

Mas o mais importante é que o projeto “penetrou” e empresas de diversos ramos e setores já se interessaram pelo material, desde aquelas que fabricam plásticos em sistemas diversos, como firmas que pretendem aplicar o produto ao seu negócio.

Não foi “por acaso” que a Olipe iniciou este projeto, uma vez que das suas instalações surgiram ideias “pioneiras” e “revolucionárias”, como a utilização de composto de alperujo ou a criação de uma armadilha para moscas que é “referência mundial” .

“Acreditamos que a agricultura pode oferecer soluções, além da alimentação, à sociedade”, por isso é “importante que os projetos de investigação” desenvolvidos pelas administrações “sejam reforçados no meio rural”.

Notícias relacionadas

Comentários estão fechados.