Cavalos garranos vão ajudar a prevenir incêndios na Serra da Cabreira



A Autarquia de Vieira do Minho, a REN – Redes Energéticas Nacionais, a Associação de Criadores de Equinos da Raça Garrana (ACERG) e a Associação Para o Ordenamento da Serra da Cabreira (APOSC), juntaram-se para prevenir os incêndios florestais na Serra da Cabreira, em Vieira do Minho. Para isso, decidiram recorrer à Raça Garrana, que se encontra em extinção, colocando 263 éguas e 28 garanhões naquela região montanhosa.

Esta iniciativa vai contemplar a criação de um sistema de pastagens melhoradas, a construção de uma vedação em troços específicos (inclusive o acesso à Estrada Nacional 103), a plantação de espécies arbustivas autóctones em zonas selecionadas, a criação de bebedouros para os animais e a colocação de localizadores GPS nos garanhões e éguas dominantes, com vista à sua monitorização.

A permanência mais prolongada dos garranos nas zonas altas da serra irá levar a que estes se alimentem principalmente nessas áreas. Como cada garrano come em média 20 a 25kg de alimento por dia, as éguas e os garanhões irão fazer a limpeza diária de cerca de sete mil quilos de vegetação, reduzindo substancialmente o risco de incêndio florestal. Este controlo natural da vegetação será acompanhado por equipas de sapadores florestais da APOSC, que contam com três brigadas de sapadores florestais, que vão complementar o trabalho que não for executado pelos garranos dentro dos corredores das Linhas de Transporte de Energia da REN.

A decisão sobre a colocação destas infraestruturas será coordenada pela ACERG em conjunto com a REN e faz parte da estratégia da associação para proteger a sustentação da raça, contribuindo, em simultâneo, para o desenvolvimento socioeconómico da região. Este protocolo fará ainda parte das políticas de prevenção aos incêndios florestais da Câmara Municipal de Vieira do Minho, nomeadamente através da sua inclusão no Sistema de Gestão Integrado de Fogos Rurais.



Notícias relacionadas

Comentários estão fechados.