Colheita florestal na Europa ameaça objetivos climáticos, alerta estudo da Comissão Europeia

A colheita anual de madeira em florestas em 26 países europeus aumentou quase 50% durante 2016-2018, em comparação com a média dos quatro anos anteriores, uma tendência que poderá ameaçar os objetivos climáticos da União Europeia, de acordo com um estudo da Comissão Europeia.

Investigadores do Joint Research Center na Itália analisaram 15 anos de dados de satélite, documentando uma mudança drástica na colheita florestal para atender à crescente procura por madeira, relataram na revista Nature.

Os investigadores descobriram que a biomassa foi reduzida em 70%, levando a menos CO2 capturado na atmosfera e armazenado nas árvores.

De 2000 a 2015, a colheita de florestas na Europa diminuiu devido a esforços conjuntos de preservação da UE.

“O aumento acentuado na colheita de biomassa está a reduzir o stock total de carbono florestal no nível da UE em relação a uma continuação hipotética dos níveis de colheita anteriores”, disse à AFP o principal autor Guido Ceccherini.

A União Europeia prometeu reduzir as emissões de gases de efeito de estufa em pelo menos 40% até 2030. As florestas representam cerca de 10% do potencial de captura de carbono.

Embora a colheita florestal varie por país, o aumento foi particularmente dramático nos países escandinavos (Suécia, Finlândia) e Europa Oriental (Letónia, Estónia).

As tendências são semelhantes, contudo menos pronunciadas, em França e em Portugal, disseram os investigadores.

Ceccherini observou que o aumento na colheita foi paradoxalmente associado ao aumento da cobertura florestal geral em todo o continente.

Mas o novo crescimento não é tão eficiente na absorção de CO2 quanto as árvores mais velhas, indicam os especialistas.

“As pessoas tendem a acreditar nisso porque cortamos tantas árvores que a cobertura florestal está a diminuir”, disse.

“No entanto, a cobertura florestal da UE está realmente a aumentar e, ao mesmo tempo, a experienciar uma intensificação abrupta das operações de extração de árvores”.

Os autores instaram a União Europeia a levar em consideração o aumento da colheita florestal ao projetar os seus objetivos de mitigação climática.

“Até que o stock de carbono nas áreas colhidas retorne aos níveis anteriores – o que levará várias décadas, dependendo do tipo de floresta -, um aumento na colheita é, portanto, equivalente a um aumento das emissões de CO2 na atmosfera”, disse Ceccherini.

Notícias relacionadas
Comentários
Loading...