com o apoio
em modo Escuro poderá poupar até 30% de energia. Saiba mais

Cravo: conheça a história de uma das flores mais famosas de Portugal (e como a cultivar)

Foram os atenienses que nomearam a flor Dianthos, das palavras gregas dios (divino) e anthos (flor).

Gillyflower, outro nome pelo qual a planta é conhecida, provavelmente veio dos franceses. Os cravos foram originários dos Pireneus como espécimes de uma única flor, mas nenhuma dessas variedades selvagens, únicas e naturais, existe hoje em dia. A beleza da sua flor, a sua longevidade depois de colhida e a facilidade com que ela pode ser cultivada combinam-se para lhe dar popularidade instantânea em muitas e muitas culturas.

No início, a planta foi submetida a grandes programas de melhoramento e, no início dos anos 1700, havia cravos únicos, semi-duplos e duplos disponíveis em vários tons de vermelho, roxo, escarlate, branco e castanho.

Havia também cravos listrados, pontilhados, manchados e com veios e bordas de pétalas lisas. Muitos destes híbridos foram divididos em classes muito específicas: Bizarro, Floco, Chama e Picotee. As flores bizarras eram duplas ou listradas, com quatro cores distintas. Os flocos eram listrados com apenas duas cores. As chamas eram flores vermelhas com listas pretas e as flores Picotee eram brancas ou manchadas com cores escarlate, vermelha, roxa ou outras. Infelizmente, estes programas de criação sacrificaram a fragrância pela qual a flor havia sido originalmente cobiçada – a sua longevidade. Como flores colhidas, os cravos são quase eternos.

Joseph Breck, no seu livro de 1851, The Flower Garden, indicou: “Não há flores mais desejáveis ​​no jardim do que o cravo. Uma variedade superior, bem cultivada, não pode ser superada, em elegância, beleza ou odor, por nenhuma outra flor …”

Breck também deu provas de que os cravos geralmente não eram muito estáveis ​​quando cultivados a partir de sementes e descrevia com detalhe o método muito preferido para a produção de novas plantas, conhecido como estratificação: “A propagação do cravo por camadas é uma operação muito simples. Quando a planta estiver em perfeitas condições de floração, coloque ao redor dela uma polegada ou meia de composto, mexendo primeiro suavemente a superfície para que ela possa combinar; remova as folhas inferiores dos brotos selecionados; passe o canivete, inclinando-se para cima, pela metade da articulação; prenda a parte aérea, onde estiver cortada, cerca de duas polegadas abaixo da superfície, com um pequeno gancho, dobrando-a com cuidado para não quebrar na incisão; depois fixe-o firmemente pressionando suavemente a terra com os dedos e termine com o corte de cerca de meia polegada das extremidades superiores das folhas com uma tesoura.

A seiva logo começa a granular na ferida e lança brotos. Em cerca de um mês ou seis semanas, se for mantido moderadamente húmido, eles podem ser cortados da planta-mãe e estabelecidos por si mesmos; ”.

A variedade Chabaud introduzida por uma empresa francesa em 1870 ainda é considerada um dos melhores cravos já desenvolvidos. Vita Sackville-West, uma famosa escritora de jardinagem do século XX, classificou a cepa de Chabaud como superior a todos os outros cravos.

A plantação de cravos a partir de sementes deve ser dentro de casa 6 a 8 semanas antes do inverno. Cubra as sementes com cerca de 1/4 de polegada de terra e mantenha a terra um pouco húmida durante a germinação e o crescimento interno. As sementes germinarão em menos de 2 semanas. As plantas requerem sol pleno, exceto se existir demasiado calor, onde se dão melhor em sombra parcial.

Notícias relacionadas
Comentários
Loading...