Creches na Finlândia tornaram-se “verdes” e mudaram o sistema imunitário das crianças

Algumas creches na Finlândia trocaram o piso por relvado e deixaram as crianças cuidar destas “pequenas florestas”. O resultado foi surpreendente.

Várias creches na Finlândia trocaram o piso por relva e plantaram vegetação rasteira, tal como urze ou mirtilos. De acordo com os cientistas que seguiram esta experiência, o simples facto de as crianças estarem em contacto com estas pequenas florestas rasteiras durante um mês foi suficiente para alterar o seu sistema imunológico.

Em comparação com outras crianças que brincam em quintais de calçada, azulejos e cascalho em creches urbanas normais, as crianças de 3, 4 e 5 anos nessas creches verdes finlandesas mostraram células T elevadas e outros marcadores de fator imunológico importantes no seu sangue em apenas 28 dias.

“Também descobrimos que a microbiota intestinal de crianças que receberam muito verde é semelhante à microbiota intestinal de crianças que visitam a floresta todos os dias”, indicou a cientista ambiental Marja Roslund, da Universidade de Helsinque em comunicado.

Estudos anteriores mostraram que a exposição precoce a espaços verdes está de alguma forma relacionada a um sistema imunológico em bom funcionamento, mas ainda não está claro se essa relação é causal ou não.

A experiência na Finlândia é a primeira em que o ambiente urbano de uma criança é explicitamente manipulado e, em seguida, testado para alterações no seu micrioma e, portanto, no seu sistema imunológico.

Embora os resultados não contenham todas as respostas, eles apoiam uma ideia central – que a alteração de micróbios ambientais pode afetar com relativa facilidade um microbioma bem estabelecido em crianças e ajudar o seu sistema imunológico.

A ideia de que um ambiente rico em coisas vivas afeta a nossa imunidade é conhecida como a “hipótese da biodiversidade”. Com base nessa hipótese, a perda de biodiversidade em áreas urbanas pode ser pelo menos parcialmente responsável pelo aumento recente de doenças relacionadas com sistema imunológico.

“Os resultados deste estudo apoiam a hipótese da biodiversidade e o conceito de que a baixa biodiversidade no ambiente de vida moderno pode levar a um sistema imunológico analfabeto e, consequentemente, aumentar a prevalência de doenças imunomediadas”, alertam os autores.

O estudo comparou os micróbios ambientais encontrados nos pátios de 10 creches urbanas diferentes e cuidaram de um total de 75 crianças com idades entre 3 e 5 anos.

Algumas dessas creches continham pátios urbanos normais com cimento e cascalho, outras levavam crianças para o dia a dia e quatro tiveram os seus pátios reformados com relva e vegetação rasteira.

Nos últimos 28 dias, as crianças das últimas quatro creches tiveram cinco vezes por semana para brincar no seu novo jardim.

Quando os cientistas testaram a microbiota da sua pele e intestinos antes e depois da experiência, encontraram resultados melhores em comparação com o primeiro grupo de crianças que brincava em creches com menos verde ao mesmo tempo.

Porém, os autores alertam para o facto de os resultados necessitarem de estudos maiores em todo o mundo.

A investigação mostra ainda que sair de casa também é bom para a visão de uma criança, e estar na natureza quando criança está ligado a uma melhor saúde mental. Alguns estudos recentes até mostraram que os espaços verdes estão ligados a mudanças estruturais no cérebro das crianças.

O que impulsiona esses resultados incríveis ainda não está claro. Pode estar relacionado a mudanças no seu sistema imunológico, respirar ar saudável, apanhar sol, fazer mais exercícios ou descansar mais.

O estudo foi publicado na revista Advances in science.

Notícias relacionadas
Comentários
Loading...