De que tecnologia precisamos para chegarmos à net-zero?



O mundo sabe agora que precisamos de chegar a emissões net-zero, ou mesmo a emissões negativas, para compensar o tempo perdido no combate às alterações climáticas. Mas que lacunas na tecnologia precisam de ser preenchidas para que isso se torne realidade?

Que tecnologias podem ajudar-nos a alcançar o net-zero

A ação climática está agora em curso. Contudo, as nossas ações não aconteceram com rapidez suficiente para atingir as metas estabelecidas pelo Acordo de Paris para limitar o aumento da temperatura global a 1,5 graus Celsius. A fim de atingir estes objetivos, a tecnologia “deve desenvolver-se rapidamente para alcançar mais descarbonização e captura de carbono”, sublinha o “Inhabitat”.

Segundo a mesma fonte, para compreender que tecnologias poderiam ajudar a atingir os objetivos de mitigação do clima, primeiro temos de analisar que tecnologias estão disponíveis para resolver o problema. Eis alguns tipos de tecnologias que estão a ajudar a combater as alterações climáticas:

– captura e armazenamento de carbono

– biocombustíveis e energia limpa

– tecnologia de armazenamento de energia e bateria

– tecnologia de monitorização para medir o progresso

Cada uma destas tecnologias pode ajudar-nos a atingir emissões líquidas nulas. Mas sendo o objetivo atual, o mais tardar em 2050, de inverter os danos dos últimos 100 anos de industrialização, o tempo não está do lado do desenvolvimento tecnológico. Aqui estão as formas como podemos preencher as lacunas no tempo.

Tecnologias de captura de carbono

A captura de carbono pode ser tão simples como filtros em chaminés de fábrica, e tão complexa como a plantação de florestas e a utilização de pedras de pavimentação absorventes de carbono para recapturar o carbono libertado para a atmosfera. Estas tecnologias estão em desenvolvimento há 50 anos, mas recentemente mais destes produtos foram libertados, com 70% das aplicações de captura de carbono no espaço de recuperação de petróleo e gás, de acordo com um relatório do Instituto de Economia e Análise Financeira da Energia.

Isto parece um progresso, mas apenas 300 milhões de toneladas de carbono foram capturadas em todo o mundo, o que é apenas uma fração do que é necessário para cumprir os objetivos do Acordo de Paris. Estas tecnologias requerem também investimentos significativos em infraestruturas, tais como oleodutos e instalações de armazenamento, que competem com outras prioridades e investimentos para mitigar as alterações climáticas.

Biocombustíveis e combustíveis de energia

Os combustíveis energéticos são qualquer fonte de energia como o hidrogénio, metano, propano ou combustíveis líquidos sintéticos. Os biocombustíveis são mais especificamente combustíveis criados utilizando uma fonte como materiais vegetais como o etanol feito de milho ou o biodiesel feito de materiais residuais. Estes combustíveis podem preencher lacunas no fornecimento de energia, oferecendo alternativas mais limpas ao petróleo e ao gás. No entanto, o custo de produção destes combustíveis pode ainda compensar o benefício, ao mesmo tempo que cria bloqueios e resíduos no abastecimento alimentar quando os combustíveis são produzidos a partir das mesmas matérias-primas que o abastecimento alimentar. Tal pode ser o caso do etanol feito a partir de milho.

A melhor aposta para os combustíveis energéticos ou biocombustíveis vem da criação de soluções circulares que fazem uso de produtos residuais. Isto resolve a crise do plástico e dos resíduos alimentares, enquanto cria novas fontes de combustível, sem criar problemas de custos, exceto no custo de produção, que vai diminuindo à medida que estas tecnologias amadurecem.

Combustíveis energéticos como o hidrogénio ou o amoníaco podem ajudar a descarbonizar sectores que são difíceis de eletrificar, também. Isto incluiria indústrias como a aviação, a navegação marítima e o fabrico de aço, cimento e químicos.

O problema com os biocombustíveis e os combustíveis de potência é a energia e o custo necessários para converter o material de origem em combustível. Se estas tecnologias puderem ser amadurecidas para utilizar energia limpa para produzir os combustíveis necessários, poderia ser uma opção mais viável. Espera-se que os combustíveis de energia preencham lacunas nas indústrias, em vez de serem soluções amplamente aplicáveis. A eletrificação é uma solução mais geral para as necessidades energéticas para a maioria das aplicações, incluindo o carregamento doméstico e de veículos e a alimentação da rede para uso residencial e comercial.

Mais de 80% da energia global ainda é fornecida por combustíveis fósseis, pelo que há aqui muito espaço para todos contribuírem para ajudar a descarbonizar o mundo da utilização de combustíveis fósseis no sector industrial.

Tecnologias solares, eólicas e de baterias

As energias renováveis são um tema mais simples. As tecnologias eólicas e solares amadureceram e são agora mais baratas de produzir do que a tradicional energia de origem fóssil. A questão aqui é o investimento em deslocar a rede para energia limpa, que é um empreendimento maciço agora em curso.

Os preços crescentes do gás e do petróleo estão a pressionar a mudança para ocorrer mais rapidamente, mas a rede ainda precisa de mais capacidade de armazenamento para se agarrar à energia produzida pela tecnologia eólica e solar. Os proprietários podem produzir alguma da sua própria energia, embora o custo dos painéis solares seja ainda proibitivamente elevado.

Com o aumento da eficiência das células solares e baterias domésticas mais baratas, os proprietários podem cada vez mais contribuir com energia limpa para a rede. E para remover os picos de procura da rede durante as horas noturnas, quando os residentes estão em casa utilizando eletricidade para carregar EVs e alimentar aparelhos domésticos. Os incentivos governamentais para ajudar os residentes a pagar a energia solar, e os programas que fazem uso da tecnologia de baterias para armazenar a energia produzida durante as horas de vazio para as horas de maior procura, ajudarão a aliviar a pressão.

A necessidade de acelerar a adoção destas tecnologias favorece a energia eólica e solar, que são mais fáceis de escalar do que as centrais hidroelétricas, geotérmicas ou nucleares, que requerem investimentos a longo prazo. O Roteiro da AIE para o Net Zero até 2050 traça um caminho para aumentar rapidamente a escala solar e ganhar esta década, incluindo mais do que triplicar a quantidade de tecnologia eólica e solar instalada anualmente até 2030, em comparação com 2020. As pequenas turbinas eólicas eficientes e solares no telhado poderiam ajudar a alcançar o net-zero para as cidades.

Tecnologia inteligente para medir o progresso climático

A eficiência energética é uma área frequentemente negligenciada, onde a procura de energia é reduzida através de uma menor procura. De acordo com um estudo da McKinsey, a eficiência energética tem o potencial de reduzir as emissões globais em 40%. Iluminação mais eficiente, aparelhos e outras tecnologias consumidoras de energia podem ser combinadas com tecnologia inteligente para monitorizar a utilização de energia e otimizar a eficiência.

A tecnologia inteligente poderia incluir medidores de energia inteligentes, tecnologia de monitorização de energia em casa ou no escritório que reduz a utilização de energia durante as horas de folga, sistemas de controlo melhorados para a indústria, redes inteligentes e tecnologia para fabrico avançado que reduz a utilização de energia à escala. A IA pode também ajudar a prever as necessidades energéticas em toda a rede para ajudar a equilibrar as necessidades energéticas e evitar o desperdício.

Quão plausível é que alcancemos a tempo emissões líquidas zero?

Para além da tecnologia, os governos também precisam de procurar formas de tornar possível que os clientes empresariais e residenciais de energia possam pagar energia limpa e reduzir a procura. Os clientes com baixos rendimentos não podem instalar energia solar em telhados, por exemplo, sem alterações significativas no custo e na oportunidade de participação a nível individual.

Com isto vem o lembrete de que a grande maioria das emissões provém efetivamente da indústria, e as empresas e países altamente poluentes são o principal objetivo para reduzir as emissões a tempo de cumprir os objetivos climáticos. “Esperamos que uma combinação de incentivos e subsídios governamentais aliados a uma tecnologia melhorada possa ser implementada a tempo de descarbonizar a sociedade, mas precisa de ser aliada à supervisão governamental para empresas e entidades governamentais não cooperantes, para que a oportunidade de parar as alterações climáticas não nos escape”, conclui o site.



Notícias relacionadas

loading...

Comentários estão fechados.