Degelo do Ártico liberta poluentes químicos “eternos”

Produtos químicos eternos, que não se degradam no meio ambiente, foram encontrados na superfície do mar perto de áreas de degelo no Ártico.

Uma equipa de cientistas da Lancaster University, Reino Unido, encontraram substâncias poli perfluoroalquil (PFAS), que são utilizadas numa ampla gama de produtos e processos, desde a proteção anti-fogo até superfícies resistentes a manchas. As suas concentrações são até duas vezes mais altas do que os níveis observados no Mar do Norte, apesar do facto de que a região do Mar de Barents, sob investigação, está a milhares de quilómetros das partes populosas da Europa.

A investigação demonstrou que estes produtos químicos não viajaram pelo mar, mas sim pela atmosfera, onde depois se acumulam no gelo marinho do Ártico. Como o gelo do Ártico está a derreter a um ritmo muito rápido, estes produtos químicos prejudiciais são libertados na água do mar circundante, resultando em concentrações muito altas.

Os investigadores Jack Garnett e Crispin Halsall, juntamente com colegas do HZG, Alemanha, têm investigado o transporte de longo alcance e a deposição de PFAS no Ártico como parte do EISPAC, um projeto financiado conjuntamente pelo NERC do Reino Unido e BMBF da Alemanha como parte do programa “Mudar o Oceano Ártico”.

Os PFAS compreendem um grande número de produtos químicos que têm inúmeros usos, incluindo auxiliares de processamento no fabrico de fluoropolímeros como Teflon, manchas e repelentes de água em embalagens de alimentos, têxteis e roupas, bem como o seu uso em espumas de combate a incêndio.

Um grupo específico destes produtos químicos, os ácidos perfluoroalquil (PFAAs), são extremamente estáveis ​​e não se degradam no meio ambiente, mas podem bioacumular e são tóxicos para os seres humanos e para a vida selvagem. Os PFAAs podem entrar na cadeia alimentar devido à sua mobilidade no meio ambiente e às suas características de ligação a proteínas. Os compostos de cadeia de carbono mais longos de ácido perfluorooctanóico (PFOA) e ácido perfluorooctanossulfónico (PFOS) estão geralmente associados a danos no fígado em mamíferos, e a exposição ao desenvolvimento de PFOA afeta adversamente o crescimento fetal em humanos e em outros mamíferos.

Garnett descobriu um fenómeno incomum em que os PFAAs presentes na atmosfera são depositados com neve na superfície dos blocos de gelo, onde podem eventualmente acumular-se no gelo marinho. O investigador fez essa observação ao recolher amostras de gelo e água como parte de uma expedição científica do projeto Norwegian Nansen Legacy. Ao realizar análises estáveis ​​de isótopos e salinidade da neve, gelo e água do mar, foi capaz de determinar qual a contribuição da água contida na neve e gelo que veio da atmosfera e qual a contribuição que veio da água do mar.

Desta forma, foi possível avaliar o papel que o transporte atmosférico de regiões distantes teve sobre a presença desses produtos químicos no gelo. O PFAA presente no componente atmosférico era muito maior do que no componente da água do mar, confirmando que o transporte de longa distância e a deposição da atmosfera são a principal fonte desses produtos químicos para o Ártico remoto, em vez de ‘reciclar’ os stocks mais antigos desses poluentes presentes nas águas do oceano.

Além disso, os estudos da equipa conduzidos numa instalação de gelo marinho na Universidade de East Anglia descobriram que a presença de salmoura (água altamente salina) no gelo jovem serve para enriquecer contaminantes como o PFAS em diferentes camadas do gelo marinho. O PFAS, como outros contaminantes orgânicos, geralmente reside na salmoura, e não na própria matriz sólida de gelo.

À medida que o gelo envelhece, a salmoura torna-se mais concentrada, resultando num enriquecimento desses contaminantes em áreas específicas dentro do bloco de gelo.

Longos períodos de degelo, principalmente quando os icebergs ainda estão cobertos de neve, causam a remobilização da salmoura de gelo e também a interação da água do degelo com a salmoura. Isso pode resultar numa libertação acentuada de PFAA na água do mar subjacente. Os canais de salmoura no fundo do gelo servem como habitats únicos para organismos na base da teia alimentar marinha e, como consequência, serão expostos a altos níveis de PFAA libertados com a drenagem de salmoura e água derretida do gelo.

Atualmente a maior parte do gelo do Ártico formou-se no inverno anterior, e não no decorrer de muitos anos. Este gelo com um ano de idade contém uma grande quantidade de salmoura móvel que interage com a cobertura de neve e pode servir para concentrar poluentes como o PFAS, que geralmente são encontrados em níveis muito baixos. Infelizmente, com eventos de degelo anteriores e mais erráticos, isso pode levar à rápida libertação de produtos químicos armazenados, resultando em altas concentrações nas águas ao redor dos blocos de gelo.

Notícias relacionadas

Comentários estão fechados.