Do peixe caçador de pombos às abelhas assassinas: seis espécies que desenvolveram ‘superpoderes’

Baratas resistentes ao congelamento, ratos à prova de veneno e abelhas assassinas são apenas alguns dos animais que desenvolveram habilidades extraordinárias para se manterem vivos.

Já imaginou, por exemplo, se tivesse que aprender a saltar mais alto para alcançar a sua comida ou ajustar a sua temperatura corporal para sobreviver em temperaturas mais frias?

Estes animais realizaram feitos semelhantes apenas para se manterem vivos, desenvolvendo habilidades que parecem impossíveis para a sua espécie.

Baratas resistentes ao congelamento

Os residentes de Nova Iorque certamente lembram-se das manchetes de 2013 sobre uma barata asiática encontrada no High Line – um parque elevado no lado oeste de Manhattan – que pode suportar temperaturas frias e neve. Foi descoberto pela primeira vez por um exterminador que percebeu que parecia diferente das baratas normalmente encontradas em Nova Iorque.

Uma equipa de biólogos identificaram a espécie como “Periplaneta japonica”, que é nativa do Japão e capaz de viver em climas mais frios. Esta descoberta marcou a primeira vez que a barata asiática foi encontrada nos Estados Unidos; os cientistas acreditam que a criatura veio à boleia juntamente com algumas plantas ornamentais que são utilizadas no parque.

Num comunicado, os biólogos indicaram que esta barata prosperou em climas frios após invadir a Coreia e a China, é “muito concebível que pudesse viver ao ar livre durante o inverno em Nova Iorque.”

Mas não se preocupe, não encontrará colónias de baratas resistentes ao congelamento na Big Apple. Os especialistas esperam que, como a “Periplaneta japonica” é semelhante às espécies de baratas comuns em Nova Iorque, elas irão competir umas com as outras, o que reduzirá a sua população

‘Super Ratos’ Imunes a Veneno

Em 2014, Liverpool, em Inglaterra, foi forçada a enfrentar uma questão chocantemente grande de ratos – uma “praga” de ratos gigantes. Os caçadores de ratos disseram ao Daily Mail que as ligações sobre infestações de ratos aumentaram 15% ao longo do ano e que os ratos capturados às vezes eram tão grandes quanto gatos.

Mas esses roedores não eram apenas enormes, eram também imunes a venenos.

Os especialistas em controlo de pragas descreveram que os roedores não foram afetados pelos venenos tradicionais; na verdade, deliciaram-se com estes venenos. O uso de qualquer coisa mais forte exigiria legislação, e os especialistas pediram à UE que aprove um rodenticida mais eficaz.

Estudos mostraram que as mutações genéticas produziram um novo tipo de “super-rato” imune aos venenos convencionais e que essa variação é responsável por até 75% da população de ratos em algumas áreas da Inglaterra.

Formigas elétricas

Os super-ratos não foram a primeira adaptação animal extraordinária a agraciar a Inglaterra. Em 2009, as carcaças de mais de 35.000 formigas invasoras de jardim (Lasius neglectus) foram encontradas numa caixa elétrica em Gloucestershire. A descoberta dessas criaturas – também conhecidas como super formigas asiáticas e formigas de fogo – foi motivo de alarme – especificamente, um alarme de incêndio.

Essas formigas têm uma atração poderosa pela eletricidade, mais forte do que a sua necessidade de comida ou bebida, o que as leva a cabos, fontes de energia e tomadas, nos quais passam a residir. Em última análise, isto cria um risco de incêndio devido ao potencial de faíscas.

As super formigas asiáticas são uma espécie altamente invasiva por causa da sua criação de supercolónias, que contêm vários ninhos e várias rainhas. Isto, combinado com os seus hábitos reprodutivos prolíficos, significa que uma única infestação pode conter centenas de milhões de indivíduos.

Abelhas assassinas

A abelha africanizada – conhecida coloquialmente como a abelha “assassina” – surgiu por meio de uma combinação de erro e oportunidade. Chegou à América em 1956, quando várias colónias foram importadas para o Brasil. O objetivo era que elas se cruzassem com a população local para aumentar a produção de mel. No entanto, anos depois, vários enxames e 26 rainhas escaparam e formaram populações híbridas com as abelhas europeias.

As abelhas espalham-se no norte pela América do Sul e Central a uma taxa de 160 a 320 quilómetros por ano, e agora estão tão no norte quanto no sul dos Estados Unidos.

Por causa da sua atitude defensiva, esta abelha ganhou a alcunha de assassina. São rápidos para atacar e picam até 10 vezes mais do que a abelha europeia, são igualmente perseverantes, capazes (e dispostos) a perseguir alguém por mais de 250 metros. Já morreram cerca de 1000 humanos devido a estas abelhas.

Peixe-gato caçador de pombos

Ao longo do rio Tarn, em França, os bagres, assim como os seus homónimos felinos, desenvolveram uma predileção por pássaros – pombos, para ser mais específico. Mas como pode um peixe caçar um pássaro?

Esses bagres (Silurus glanis) ficam à espreita em águas rasas até que um pombo apareça para se limpar ou banhar. Em seguida, o bagre salta para fora da água, encalha-se na costa por um momento para tentar uma captura e volta a debater-se no rio. Invesigadores da Universidade de Toulouse, na França, estudaram esse comportamento e descobriram que o bagre teve uma taxa de sucesso de 28% na captura de pássaros.

Embora particular para os bagres neste local, a técnica de caça não é desconhecida. As baleias assassinas fazem o mesmo para agarrar leões-marinhos, e há golfinhos que são conhecidos por usar esse método para apanhar peixes.

Rãs Congeladas

A barata asiática pode ser resistente ao frio, mas a rã-da-madeira (Lithobates sylvaticus) congela como técnica de sobrevivência. Encontrada principalmente nos Estados Unidos e Canadá, a rã-da-madeira pode sobreviver a temperaturas de até treze graus negativos devido à sua capacidade de se colocar em uma espécie de animação suspensa que pode durar meses.

O truque deste sapo é armazenar grandes quantidades de urina no sangue. Quando o tempo arrefece e o seu sangue começa a congelar, o fígado libera glicose que se combina com a urina para produzir uma espécie de anticongelante que limita a quantidade de gelo que se forma no corpo da rã. Por causa disso, a rã pode sobreviver durante meses com dois terços do seu corpo completamente congelados, mesmo que os seus órgãos – incluindo os pulmões – parem de funcionar e o seu coração pare de bater.

Desde que a rã não perca mais de 60% da sua água ao longo desse tempo, ela irá descongelar facilmente e voltar à vida normal quando o tempo ficar quente novamente.

Notícias relacionadas
Comentários
Loading...