Entrevista: “Adoção do ESG é incontornável para qualquer instituição financeira que pretenda manter-se competitiva”, administrador da Unicre



Em entrevista à Green Savers, Fernando Carvalho, administrador da Unicre, revelou de que maneira a Instituição Financeira está comprometida com a sustentabilidade e com a responsabilidade social. Outros temas como a incorporação dos fatores ESG e o papel da sustentabilidade no setor financeiro, foram também abordados pelo especialista.

Considera que a sustentabilidade é uma característica importante no setor financeiro? Porquê?

Felizmente, cada vez mais. Acreditamos que as mudanças que estão a ocorrer no setor financeiro, em particular no universo dos pagamentos, vieram reforçar o compromisso de todos os players desta área no desenvolvimento de uma política de responsabilidade ambiental. Hoje, e mais do que nunca, o setor financeiro está cada vez mais consciente do papel de relevo que tem a desempenhar na transição para uma sociedade global sustentável, considerando a experiência e os recursos dos quais dispõe. A indústria está focada em acompanhar e responder às tendências e necessidades de consumo que emergem a par deste tema incontornável da agenda global, apostando na criação de valor a longo prazo e combate às alterações climáticas.

De que maneira a UNICRE está a apostar na sustentabilidade? Pode mencionar alguns projetos que a empresa esteja a desenvolver?

A UNICRE tem vindo a apostar, nos últimos anos, na digitalização dos serviços que oferece aos seus clientes, tendo como principal objetivo a simplificação de processos, o que acaba por se refletir diretamente na redução do consumo de papel, seja através da adesão a cartões e crédito pessoal, promoção da redução de uso de papel nos terminais de pagamento, envio de extrato e faturas de forma digital ou apps, sejam estas a App UNIBANCO ou a Área do Cliente REDUNIQ. A par destas iniciativas, disponibilizamos também cartões ecológicos, produzidos a partir de PVC degradável que pode ser reciclado e reutilizado na produção de energia, substituindo assim os habituais cartões de plástico.

Além destas apostas, a UNICRE associou-se, recentemente, ao projeto Merece da Contisystems, que tem como objetivo reciclar cartões com componentes eletrónicos, minimizando o seu impacto ambiental ao transformá-los em mobiliário urbano. Este projeto assume uma grande relevância dado que cada cartão gera 150 gramas de CO2 e, só em Portugal, existem cerca de 22 ou 23 milhões de cartões bancários em utilização, o que significa que esses cartões vão emitir mais de 3 milhões e meio de quilos de CO2 para a atmosfera. A UNICRE é uma das primeiras marcas a associar-se a esta iniciativa, reforçando ainda mais o seu compromisso na diminuição gradual da sua pegada ambiental.

Por último, destacamos também a renovação do nosso escritório, no qual passámos a implementar soluções mais ecológicas.

Também nos escritórios da vossa empresa o contexto da sustentabilidade tem vindo a ser implementado. Pode falar-nos um pouco sobre esta mudança?

Na UNICRE procuramos estar sempre a par da inovação, seja através das nossas soluções ou, neste caso, do nosso local de trabalho. Quisemos, com esta mudança, mostrar a todos os nossos colaboradores que também são uma prioridade e, por isso, mereciam um espaço de trabalho capaz de corresponder às suas necessidades e bem-estar. Ao mesmo tempo, esta foi uma oportunidade de integrar critérios de sustentabilidade na renovação do espaço. Assim, a par das comodidades dedicadas ao conforto e bem-estar dos colaboradores, apostámos numa arquitetura concebida para respeitar o compromisso de sustentabilidade da empresa. Estes pormenores são visíveis, desde logo, na utilização de materiais de construção reciclados – nomeadamente a utilização de painéis de madeira (OSB) nos armários, cacifos, auditório e nichos de impressoras, e de pavimento de cortiça à prova de água (Hydracork).

A aposta na sustentabilidade sai também reforçada com as novas medidas adotadas para garantir um consumo mais eficiente de energia, como é o caso da instalação de uma película redutora de calor nos vidros das fachadas, o investimento numa iluminação 100% LED, com economizadores de fluxo, e até na redução das máquinas de impressão. Adicionalmente, toda a energia consumida nas novas instalações é 100% verde, sendo produzida através de fontes naturais e renováveis, não emitindo gases nocivos para o ambiente.

E na vertente social, como se reflete o compromisso de responsabilidade social da UNICRE?

Em simultâneo com a sua responsabilidade ambiental, a UNICRE tem perfeita consciência do papel social que desempenha em toda a comunidade. Além de conseguirmos ligar empresas, pessoas e tecnologia, através de experiências de pagamento únicas, percebemos que se criarmos soluções de pagamento solidárias estamos a proporcionar aos nossos clientes a possibilidade de pagar de uma forma única, contribuindo para causas maiores. Exemplo disso é a nossa parceria de longa data com a Fundação do Gil, que tem por base o Cartão Alegria, um cartão presente cujo valor de aquisição de 2€ reverte na totalidade para o apoio à Fundação. Neste momento temos uma ação especial de Natal a decorrer, na qual por cada cartão adquirido, a UNICRE duplica o valor do donativo para 4€. Ao abrigo desta iniciativa, angariámos, no ano passado, mais de 32 mil euros para a instituição, e esperamos este ano ultrapassar este valor.

Além disso, a UNICRE mantém-se atenta a várias causas e tem vindo a colaborar com iniciativas mais ocasionais ou extraordinárias, como foi o caso da contribuição na produção de viseiras imprescindíveis para a proteção de equipas e utentes da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa, União de Misericórdias Portuguesas e diversas Misericórdias do País, no seguimento da pandemia. Para o próximo ano, contamos reforçar as atividades de solidariedade social nas áreas dos direitos humanos e da pegada ecológica, áreas de relevo nas quais as empresas podem e devem contribuir significativamente. Sabemos que este compromisso que fazemos com várias entidades, permite contribuir para uma capacidade de resiliência da nossa sociedade e economia.

A incorporação dos fatores ESG nas instituições financeiras tem sido, cada vez mais, uma realidade. Qual é o papel das mesmas na promoção de um futuro sustentável?

A adoção de fatores ESG é sem dúvida incontornável para qualquer instituição financeira que pretenda manter-se competitiva. Os consumidores demonstram estar cada vez mais conscientes dos impactos negativos que os seus comportamentos quotidianos podem ter no ambiente, o que se reflete numa maior exigência no que respeita ao investimento em soluções financeiras “verdes”. Mas mais do que dar resposta a estas novas expetativas, o desenvolvimento sustentável, através da integração destes fatores, é um dever que as organizações devem assumir, e que implica inevitavelmente uma nova forma de fazer negócio: a nível interno, considerando os seus próprios impactos ambientais e sociais em toda a cadeia de valor; a nível de oferta, apostando num portefólio de produtos e soluções alinhadas com os princípios ESG, que permitam dar resposta às expectativas dos clientes e simultaneamente dotá-los de ferramentas que os ajudem a diminuir os seus próprios impactos no planeta; e ao nível da sua influência na sociedade, usando as suas plataformas para promover a transição para um futuro sustentável e inclusivo. A UNICRE está dedicada ao seu compromisso de contribuir para o desenvolvimento sustentável, valendo-se do precioso contributo da tecnologia e inovação, e integrando continuamente as vertentes ambientais, sociais e de governança no seu modelo de negócio.



Notícias relacionadas

loading...

Comentários estão fechados.