Esponjas com 890 milhões de anos poderão ter sido os primeiros animais da Terra

Um estudo publicado na revista Nature sugere que as estruturas encontradas num recife antigo podem ser esponjas com 890 milhões de anos. Caso se confirme, estas esponjas fósseis, encontradas no calcário de “Little Dal” no noroeste do Canadá, podem ter mais 300 milhões de anos do que os fósseis mais antigos de qualquer animal.

A comunidade científica já tinha conhecimento de esponjas marinhas que teriam habitado o nosso planeta há 540 milhões de anos, no entanto os fósseis agora encontrados sugerem que a origem desta espécie é bastante mais antiga, o que desafia a teoria de que os primeiros animais só teriam surgido depois de a atmosfera terrestre se ter desenvolvido totalmente.

De acordo com Elizabeth Turner, citada pelo jornal britânico The Guardian, os recifes da antiguidade não eram constituídos por corais e algas, como os que conhecemos hoje, mas por grandes aglomerados de pequenas bactérias que, em conjunto, formavam extensas estruturas de carbono.

“Se eu estiver certa na interpretação deste material, isso quer dizer que os primeiros animais poderiam não ter os mesmos requisitos de oxigénio que nós assumíamos até agora“, disse Elizabeth Turner citada pelo The Guardian. “É possível que tenhamos tido as primeiras esponjas a surgir há algum tempo, certamente há 890 milhões de anos, que viviam num mundo com níveis muito baixos de oxigénio, comparativamente, mas os animais mais complexos tiveram de esperar mais.”

Notícias relacionadas

Comentários estão fechados.