Fábrica da PepsiCo em Portugal vai testar sistema inovador de limpeza



A fábrica da PepsiCo em Portugal, situada no Carregado, vai testar um sistema inovador de limpeza e higiene. A nova solução de tecnologia eletroquímica é mais sustentável, inteligente e segura que as convencionais, e foi desenvolvida pela Ozo Innovations, resultando de uma parceria entre a marca e a startup britânica.

O elocube da Ozo converte água fria e sal, através de eletrólise, numa solução química destinada à limpeza e desinfeção. Se for bem-sucedida, a tecnologia revolucionará os processos de limpeza, reduzindo a utilização de produtos químicos, de água e de energia.

Fernando Moraga, Country Manager da PepsiCo em Portugal, refere em comunicado que “É com enorme entusiasmo que iremos integrar esta nova solução de higiene na nossa unidade no Carregado. Este projeto da PepsiCo Labs em parceria com a Ozo Innovations será mais um passo importante para continuar a fazer da nossa fábrica um exemplo em termos de sustentabilidade e mudança positiva para os nossos consumidores e para o nosso planeta. Ao abraçarmos estas parcerias inteligentes, podemos desbloquear soluções inovadoras, e desempenhar o nosso papel no desenvolvimento de inovações tecnológicas que sejam benéficas para todos.

Esta parceria é uma das várias que a PepsiCo anunciou recentemente com diversas startups digitais, com o objetivo de otimizar e desenvolver soluções sustentáveis na sua cadeia de valor, através do programa PepsiCo Labs. Após os resultados destes primeiros ensaios, a PepsiCo pretende escalar as tecnologias de sucesso em toda a sua cadeia de valor durante 2023 e em diante.

A PepsiCo selecionou mais cinco startups digitais que apresentaram soluções inovadoras relacionadas com a sustentabilidade, e que irão operar em outras unidades da marca. São elas a Pulse Industrial e a BrenPower, que cujos monitores detetam falhas e fugas de vapor através de um sistema de inteligência artificial; a UBQ Materials, que leva o lixo doméstico – incluindo materiais orgânicos e plástico não reciclável – o reduz ao seu componente natural básico e converte-o num material termoplástico climático-positivo; a Security Matters, que desenvolveu um sistema invisível de ‘marcadores’ que permite tanto o rastreio físico como digital para identificar, seguir e classificar os resíduos de embalagens, ligado a um sistema de blockchain; e a Elateq, que fornece tratamento eletroquímico de águas residuais para remover agentes patogénicos, contaminantes orgânicos e inorgânicos na água, utilizando menos energia.



Notícias relacionadas

Comentários estão fechados.