Fiat torna-se a 5.ª marca acusada em França de ocultar emissões poluentes

O construtor automóvel Fiat está acusado em França de ter utilizado programas informáticos para ocultar as emissões poluentes de alguns dos seus modelos com motor diesel, indicaram esta terça-feira fontes judiciais.

A acusação da marca italiana (o antigo grupo Fiat-Chrysler uniu-se à PSA no novo conglomerado Stellantis) ocorre depois do mesmo ter sido feito a Renault, Volkswagen, Peugeot e Citroen.

Fontes judiciais adiantaram à Efe que a Fiat é acusada de enganar sobre as características dos seus produtos, com consequências para a saúde, obstrução ao trabalho dos serviços antifraude.

A empresa ficou sob controlo judicial e vai ter de apresentar uma fiança de 150 mil euros e depositar uma garantia bancária de 200.000 euros.

A Stellantis, que declarou estar disposta a cooperar “plenamente” com a justiça resolver depressa este assunto, mostrou-se “firmemente convencida” de que os sistemas de controlo de emissões cumpriam “todas as exigências” regulamentares existentes no período coberto pela investigação, entre setembro de 2014 e 15 de março de 2017.

Em comunicado, o grupo automobilístico assinalou que a acusação formal da marca italiana vai permitir-lhe aceder ao processo e “defender-se de umas alegações que ainda não foram avaliadas no quadro de um procedimento contraditório”.

A justiça francesa abriu uma investigação em 2017 no contexto do designado escândalo ‘dieselgate’, começado dois anos nos EUA.

Então, as autoridades norte-americanas que controlam as emissões poluentes descobriram eu a Volkswagen tinha instalado programas informáticos para encobrir a poluição dos seus veículos com motores diesel em condições reais de condução.

Estes dispositivos detetavam o protocolo de provas e, então, os motores passavam a funcionar com um ritmo que permitia limitar as emissões de partículas e respeitar as normas sobre poluição em vigor.

Contudo, em condições normais de circulação, as emissões disparavam e superavam em muito os limites definidos nos testes de certificação.

No caso de o caso chegar a julgamento, os fabricantes corem o risco, se forem considerados culpados, de pagarem multas multimilionárias e enfrentar as pretensões de indemnizações de centenas de milhares de proprietários dos modelos sob suspeita.

Notícias relacionadas
Comentários
Loading...