A árvore sagrada que está na Terra há 270 milhões de anos

A Ginkgo Biloba é objeto de adoração e a árvore sagrada do Oriente. É um símbolo da unidade dos opostos, sendo que para alguns é também um símbolo de imutabilidade, com poderes milagrosos.

É considerada pela ciência um fóssil vivo e é vista por muita gente como um sinal de amor, estando associada à vida longa e à eternidade.

A sua força é lendária e é virtualmente invulnerável a pragas, tolera a poluição urbana e resiste ao gelo. É uma árvore que desafia o fogo, mostrando as suas cicatrizes enegrecidas perto dos templos japoneses, onde foram plantadas para atuar como uma barreira contra incêndios.

Após a bomba de Hiroshima, uma amostra de ginkgo localizada a 1 quilómetro do epicentro da explosão renasceu alguns meses depois, e uma placa aos pés desta árvore que diz “Hiroshima desapareceu” ainda pode ser vista nos dias de hoje.

Na China e no Japão, é considerada uma árvore sagrada e as suas folhas são usadas na medicina tradicional, pois são consideradas com muitos benefícios à saúde. O fruto do ginkgo (uma noz) está presente na culinária chinesa, japonesa e coreana.

A Ginkgo é uma árvore de folha caduca que é cultivada há séculos nos templos chineses e japoneses como uma árvore sagrada. Pertence à família Ginkgoaceae. Esta árvore é originária da China, Coreia e Japão e é a árvore mais antiga do mundo.

A família de Ginkgoaceae vive na Terra há 270 milhões de anos. Há 65 milhões de anos atrás, estes espécimes começaram a declinar, e apenas as espécies de Ginkgo biloba em algumas áreas da China sobreviveram; atualmente, os espécimes mais antigos existem há quase 3.500 anos.

Em 1691, o botânico alemão E. Kaempfer descobriu no Japão espécimes de ginkgo que eram considerados extintos – espalharam da China para o Japão e para a Coreia, graças aos monges budistas. Kaempfer levou sementes de ginkgo de volta para a Europa; o primeiro ginkgo fora da Ásia foi plantado no Jardim Botânico de Utrecht em 1730.

Esta árvore pode atingir mil anos de idade.

Após a Idade do Gelo, a árvore de Ginkgo cresceu naturalmente apenas na China. A sua altura é superior a 30 metros, a copa de uma árvore jovem é piramidal, mas a árvore adulta possui copa amplamente oval. As folhas são em forma de leque, verde brilhante na primavera, verde escuro no verão e amarelo limão no outono. As sementes têm forma e tamanho semelhantes a uma ameixa, mas têm uma cor amarelo-esverdeada e odor desagradável.

Na China, atrai milhares de pessoas de todo o país, as folhas douradas caem desde meados de novembro, transformando o chão num “oceano amarelo”.

Árvore de ginkgo é um símbolo do outono e da vida longa

Uma árvore antiga que cresce perto do templo budista Gu Guanyin na montanha Zhongnan, representa uma maneira perfeita de comemorar o outono. O ginkgo é considerado um “fóssil vivo” porque, apesar das drásticas mudanças climáticas, permaneceu intocado. As folhas da árvore Ginkgo são usadas na medicina chinesa para o tratamento de doenças respiratórias como asma e bronquite, assim como para o tratamento da calvície, tuberculose, má circulação, gonorreia, doenças de pele, disenteria, pressão alta e ansiedade.

Os últimos estudos científicos indicam a possibilidade de um tratamento contra a doença de Alzheimer. Exceto para fins medicinais na China e no Japão, as sementes de Ginkgo Biloba são consumidas fritas como snacks.

Notícias relacionadas

Comentários estão fechados.